segunda-feira, 30 de agosto de 2010

MACHISMO X FEMINISMO




Em 1927, o Estado do Rio Grande do Norte foi o primeiro do País a permitir que as mulheres votassem. A partir de então, a conquista regional desse direito beneficiou a luta feminina da expansão do “voto de saias” para todo o Brasil. Em 1928, Alzira Soriano foi a primeira mulher a ocupar um cargo eletivo, como prefeita de Lajes, pelo Partido Republicano. Mesmo assim, ela não terminou o seu mandato. A Comissão de Poderes do Senado anulou os votos de todas as mulheres.

A partir da década de 40, começaram a surgir as primeiras mulheres ousadas o suficiente para trajar calças compridas, mas só no final da década de 60 é que o vestuário passou a ser difundido e perdeu sua conotação vulgar.

As conquistas no mundo feminino não pararam por aí e, desde então, avançam em ritmo acelerado, colocando em estado de alerta máximo os homens, que, confessam, se sentem ameaçados pela desenvoltura e potencial delas.

Em menos de um século, as mulheres avançaram tanto socialmente que, hoje, são poucas as que ainda desempenham o papel exclusivo de mantenedoras do lar. Boa parte delas renunciou ao casamento e se dedica integralmente à profissão. No Brasil, estima-se que existam cerca de 20 milhões de mulheres entre 30 e 40 anos que ainda não se casaram. Grande parte desse grupo afirma que o matrimônio não é uma meta de vida e, por isso, a situação não incomoda.

Nos Estados Unidos, a porcentagem de mulheres dessa mesma faixa etária que preferiu a vida de solteira, era, há 30 anos, por volta de 6%. Esse índice cresceu vertiginosamente de lá para cá. Hoje, elas já são 22%. De acordo com especialistas, a ascensão da mulher no mercado de trabalho, em boa parte do mundo, é um fator preponderante na hora de escolher entre vida sentimental e profissional.
Se a escolha não é nada fácil, a saída tem sido conciliar família e trabalho. E, mesmo que alguns não admitam, está claro que a mulher pode desempenhar com maestria os dois papéis e ainda o de protagonista (não mais de coadjuvantes) da história da sociedade moderna.
Exemplos não faltam: na América Latina, Michelle Bachelet esteve à frente do executivo chileno de 2006 até metade de 2010; Cristina Kirchner, além de conduzir a própria família, dita os rumos da nação Argentina. No Brasil, Dilma Rousseff e Marina Silva disputam a presidência num território, até então, de domínio exclusivamente masculino.
Diante desse cenário, surgem duas intrigantes questões. Primeira: quem, afinal, é o “sexo frágil”? Segunda: será mesmo que ele existe?

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

BARBIES OU BRUTOS



A mais completa pesquisa já realizada sobre o consumo de álcool entre as mulheres brasileiras, realizada pela Secretaria Nacional Antidrogas em parceria com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) — batizada de 1º Levantamento Nacional sobre os Padrões de Consumo de Álcool na População Brasileira —, mostra que um terço dos bebedores pesados (aqueles que bebem em volume excessivo pelo menos uma vez ao ano) é do sexo feminino. Em apenas 20 anos, a participação das mulheres entre a população alcoólatra brasileira triplicou, passando de 10% para 30%.

A pesquisa mostrou, também, que o alcoolismo, em ambos os sexos, tem atingido mais os jovens e adolescentes. Na faixa entre 14 e 17 anos, 6% das meninas e 10% dos meninos foram classificados como consumidores compulsivos de álcool, o que equivale a cinco doses ou mais ingeridas no mínimo uma vez por semana. Os que bebem cinco doses ou mais de uma a três vezes por mês (ocasionais) são 16% dos garotos e 14% das garotas.

Desta forma, a Unifesp chegou à seguinte conclusão: no Brasil, 30% da população alcoólatra é composta por mulheres; 6% das meninas entre 14 e 17 anos são consumidoras frequentes de álcool, e 14% delas foram classificadas como bebedoras ocasionais.

Reflexos destes dados são vistos em praticamente todos os centros de atendimento psicossocial (CAPs) do Pais, que tratam dependentes adultos de álcool e outras drogas: mais de 40% dos pacientes atendidos são mulheres, e metades desses atendimentos é voltado ao tratamento antiálcool.

De acordo com os médicos, a ingestão da mesma quantidade de álcool por homens e mulheres afeta o sexo feminino de forma mais nociva e mais rapidamente, mesmo levando-se em conta as diferenças de peso corporal. Isso ocorre porque a mulher apresenta menos água em seu corpo do que o homem, e o álcool, quando misturado a água do corpo, torna-se mais concentrado na mulher.



sábado, 21 de agosto de 2010

A culpa não é delas




Por Andrea Dip
andrea.dip@folhauniversal.com.br

Alvo de violência frequente, principalmente sexual, mulheres são ainda acusadas de provocar seus agressores e colocadas como culpadas, ao invés de vítimas de terríveis abusos

Os casos de violência sexual e doméstica contra as mulheres se avolumam no Brasil. E pior: em muitos deles, tenta-se justificar agressões e abusos com base no passado e no comportamento das vítmas.

As mulheres passam a ser culpadas do próprio sofrimento e morte, como se isso fosse possível.

Esta escalada de agressões tem hoje como imagem mais forte, além da brasileira Eliza Samudio, a iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani, de 43 anos, condenada a ser apedrejada até a morte por uma suposta acusação, sem provas, de cometer adultério com dois homens. É mais um caso em que a mulher é penalizada em julgamentos equivocados e movidos por princípios ancestrais.

O episódio remete a uma famosa passagem do Novo Testamento em que Jesus Cristo absolve uma mulher adúltera de ser morta por apedrejamento. O Evangelho de João narra que escribas e fariseus levaram a mulher até Jesus e perguntaram se ela deveria ser apedrejada, depois de flagrada em traição.

Ele respondeu: “Aquele que dentre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela.” A mulher foi salva.
No Irã, Sakineh e outras mulheres esperam sentenças como a daquela salva por Jesus. Lá, o adultério é considerado crime grave e desde 2006 sete mulheres morreram por apedrejamento. Os homens são enterrados até a cintura e as mulheres até a altura do peito.

As pedras devem ser pequenas o bastante para não matar de uma vez. Como os homens ficam com os braços livres, podem se defender, e se não morrerem são libertados – diferente das mulheres, que não podem proteger o rosto. Sakineh Mohammadi Ashtiani já recebeu 99 chicotadas e espera a pena capital presa com outras 25 mulheres.

Países como França, Grã-Bretanha e Estados Unidos criticam a decisão iraniana e um abaixo-assinado com mais de 540 mil assinaturas circula na internet.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a oferecer asilo político no Brasil para a iraniana, mas o porta-voz do Ministério do Exterior do Irã Ramin Mehmanparast ironizou-o. Disse que o presidente Lula tem uma personalidade “emotiva”.

Na segunda-feira (9), o governo iraniano indicava que Sakineh seria enforcada e não apedrejada. A nova decisão se deve ao fato de que a mulher foi agora condenada por assassinato.

No Brasil, o que se vê hoje são mulheres vítimas de agressões sexuais apresentadas como culpadas, como se tivessem “provocado” a violência. Veja o depoimento anônimo de uma vítima de abuso num site de ajuda psicológica a essas mulheres. “Fui violentada pelo meu tio quando tinha 8 anos. Revelei à minha mãe aos 14.

A reação foi a pior possível: ela contou para a esposa dele, que pediu silêncio, pois com calma resolveríamos isso. (...) Em um domingo pedi a ‘benção’ aos meus tios e ninguém respondeu. Entrei em casa chorando. Minha mãe me chamou e contou que a esposa do meu agressor disse à todos que eu seduzi o marido dela. Eu me pergunto: como uma criança de 8 anos pode seduzir um homem de 30? Faz três anos que contei e ele continua morando ao lado da minha casa. Me sinto tão suja, sinto nojo de mim mesma. A única coisa que me conforta é saber que se a justiça do homem não for feita, a de Deus será.”O depoimento se soma a uma lista de centenas de meninas e mulheres que pedem socorro e demonstram sentimentos de raiva e indignação, por serem tratadas como culpadas mesmo depois de vítimas de agressões sexuais. Elas carregam o peso de terem “provocado” a irracionalidade de seus algozes.

No Brasil, a sociedade e as autoridades usam de meios sutis de agressão psicológica às mulheres vitimizadas pela violência. Segundo a psicóloga especialista em violência doméstica Martha Narvaz, essa culpa é mais comum do que se imagina: “As mulheres sentem o peso da descrença por parte da própria familia e amigos.

Durante dez anos eu vi pais dizendo que era fantasia da menina, ou até mesmo que as crianças tinham seduzido o pai, o tio ou o avô. Com mulheres adultas, é ainda pior”, lembra. O machismo institucionalizado pode ser visto no “Caso Bruno”.

Um dos argumentos da defesa foi o de que Eliza Samúdio era garota de programa e atriz de filmes pornográficos.

À rádio “CBN”, Ércio Quaresma Firpe, advogado de Bruno, chegou a dizer que a moça estava viva.

Questionado se acreditava que ela seria capaz de abandonar o filho, disse: “Essa moça é atriz pornô, é profissional do sexo.”

A delegada Iumara Gomes, que por quatro anos esteve à frente de uma delegacia da mulher na Paraíba, conta que já viu muitos casos assim. “Mulheres que tinham medo de denunciar porque iriam sofrer a discriminação da família, perder o filho e a pensão alimentícia.”

Uma pesquisa divulgada pelo
Instituto Sangari apontou que dez mulheres morrem assassinadas por dia no Brasil. Entre 1997 e 2007, 41.532 foram assassinadas. Um índice de 4,2 mortes a cada 100 mil habitantes. Martha Narvaz diz que a mulher que resolve denunciar seu agressor tem de enfrentar constrangimentos.

“Para começar tem que responder perguntas como, ‘Que roupa você estava usando?’, ‘O que você estava fazendo naquela rua perigosa?’ Mas a maioria dos estupros acontece bem cedo, perto de pontos de ônibus, na ida ao trabalho”.Nem os holofotes intimidam.

O ator americano Mel Gibson é acusado de violência doméstica por Oksana Grigorieva, sua ex-mulher e mãe de sua filha Lucia, de 8 meses. Oksana divulgou fitas em que ele a ofende, ameaça queimar a casa e matá-la, confessa ter batido nela enquanto ela segurava a filha e ainda diz que o modo com que ela se veste a faz parecer “uma porca no cio”.

Sonia Rovinski, psicóloga no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, acredita que essa situação só mudará quando o assunto for discutido nas escolas, comunidades e igrejas. “Isso precisa ser rompido.

Se a criança vir o pai batendo na mãe, vai entender que isso é o normal e que, se não fizer o mesmo, não será macho o suficiente.” Em 1989, a atriz americana Jodie Foster ganhou o Oscar pela atuação no filme “Acusados”, inspirado no caso da americana Cheryl Ann Araujo, que foi estuprada por quatro homens num bar em Massachusetts, em 1983. Quando tentou punir os estupradores, ela foi acusada de provocá-los. Eles acabaram condenados e Cheryl morreu em um acidente de carro, em1986.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Mulheres no crime.


Quase a totalidade de crimes contra a Previdência no Brasil é cometida por quadrilhas lideradas por mulheres. Na criminalidade de modo geral, a participação delas também têm aumentado nos últimos anos. Entre a população carcerária feminina já condenada, 60% estão sob a Lei de Tóxicos, por uso ou tráfico. Entre os homens, a proporção cai para 15%, segundo o Ministério da Justiça. Portanto, já é possível afirmar que, no País, o tráfico de drogas é predominantemente feminino. O transporte internacional de entorpecentes também é praticado, em mais de 90% dos casos, por mulheres.


Os dados colhidos são relativos a 2007 e divulgados pelo Sistema Integrado de Informações Penitenciárias (InfoPen), do Ministério da Justiça e mostram que o perfil do criminoso no Brasil está passando por um período de intensa transição.

As pesquisas revelaram também que, apenas nos últimos cinco anos (de 2002 a 2007), o número de mulheres encarceradas subiu de 3% para 6%. Do total de presos em delegacias e penitenciárias brasileiras, estimado em 420 mil detentos, existem atualmente 25,8 mil mulheres.

Como a expansão do sistema carcerário não acompanhou a evolução da mulher no mundo do crime, o resultado é que, a exemplo do que acontece nas prisões masculinas, as mulheres também estão sofrendo com a superlotação das celas. Do total de 467 penitenciárias informadas pelos Estados ao Ministério da Justiça, apenas 40 delas são destinados a mulheres, mas apenas 15 em todo o País oferecem estrutura e porte adequados para abrigá-las, o que corresponde a 3% do total.

Quanto ao perfil dessas infratoras, o InfoPen relata que a maioria tem entre 18 e 24 anos e é da cor branca (cerca de 30%, contra 10% da raça negra). Apenas pouco mais de 3% são analfabetas e mais de 30% têm apenas o ensino fundamental incompleto. As que concluíram a 8ª série são apenas 10% e as que possuem ensino superior não representam nem 0,5% da população encarcerada.

Para os especialistas, a entrada de mulheres no mundo do crime é mais uma consequência da má distribuição de renda. “O Brasil tem melhorado sua força econômica frente ao mundo, mas a parcela da população que tem se beneficiado desse crescimento é ínfima. Além do mais, os investimentos em educação ainda são uma afronta à imagem do País e, enquanto isso não for resolvido, dificilmente o quadro se reverterá”, dizem.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

RICOS



A realização de um sonho, seja ele de qualquer espécie, requer, além da crença de que irá alcançá-lo, muita persistência e dedicação. E, quando o sonho é a realização financeira ou o sucesso pessoal, a premissa ganha ainda mais veracidade. Mas apenas chegar lá, realizar-se financeiramente, não basta. É preciso também muita luta e dedicação para permanecer nessa condição. Segundo os economistas mais respeitados do País, tarefa mais difícil do que se enriquecer é conservar-se pujante.

Muita gente que não foi favorecida pela origem, ou seja, que não nasceu em ‘berço de ouro’, conseguiu driblar essa situação e alcançar o sucesso pessoal, profissional e financeiro.

Dá para imaginar, por exemplo, que Hebe Camargo, quando tinha só treze anos resolveu criar uma dupla caipira com a irmã? Difícil acreditar? Pois veja, então, o nome do dueto: “Rosalinda e Florisbela”. Hoje, no entanto, Hebe é uma das artistas mais respeitadas e bem pagas do País.

Nada que possa ser comparado à profissão de Sean Connery, antes de se tornar um astro do cinema. Connery, durante anos, foi um exímio lustrador de caixões. Passava o dia sozinho, com uma flanelinha na mão, dando brilho no estoque de esquifes de uma funerária modesta.

Elvis Presley também não nasceu já Elvis Presley. O pai do rock-blues trabalhou como lanterninha de cinema, empacotador de supermercado, cortador de grama e foi também motorista de caminhão. Charles Chaplin, ícone do cinema mudo, passou boa parte da vida fazendo volumosa espuma no rosto de clientes. Ele era ajudante de barbeiro. E Júlia Roberts, quem diria, era caixa numa sorveteria. O que ganhava, dizem, mal dava para o transporte.

Enfim, será que a sorte um dia saiu feito louca à procura dessas pessoas? Se não foi isso, como conquistaram, então, tanta fama e dinheiro?

Seja como for, fica a lição: A vida é realmente cheia de surpresas, mas elas só se revelam a quem tem persistência, força de vontade e, obviamente, capacitação. Tudo isso aliado à inteligência de saber que os resultados na vida daquele que pretende vencer nem sempre acontecem da noite para o dia.

sábado, 14 de agosto de 2010

IURD na Fundação Casa PALESTRA Prevenção de Drogas


Sabendo que a prevenção é a melhor saída, Pr. Geraldo Vilhena Coordenador Estadual de Evangelização nas Unidades da Fundação Casa de São Paulo e sua equipe de voluntário da IURD realizaram uma palestra na Fundação Casa em Ferraz de Vasconcelos sobre Prevenção em Drogas. Primeiramente o Pr. Geraldo Vilhena fez uma oração para proteção dos internos e familiares.


A palestrante Marta Alves enfatizou a importância da família no tratamento / prevenção, e como lidar com os filhos em relação as amizades e o poder da escolha, pois na rede social em que vivemos temos que saber escolher bem, e a conversa e orientação sobre os malefícios causados pelas drogas é fundamental.Assunto polêmico e que tem atingido muitas famílias seja de classe alta, média ou baixa, o intuito da palestra foi esclarecer, orientar, prevenir e ajudar possíveis dependentes. Os familiares e internos mostraram-se interessados e agradeceram os esclarecimentos de dúvidas.


Foram distribuídos cartilhas informativas fornecidas pelo Senad (Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas) Gabinete de Segurança Institucional - Presidência da República.





Marta Alves

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Ratos de academia



Compulsão, no mundo moderno, é o que não falta: há quem seja dependente do chocolate, do sexo, do refrigerante, da internet e até do celular. Agora, para diversificar ainda mais essa lista, os psicólogos identificaram mais uma compulsão, que “ataca” principalmente a população mais jovem: a dependência de praticar exercícios físicos.

Definida pelos médicos do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo como vigorexia, essa dependência ou fixação por praticar exercícios leva o indivíduo a “malhar” de maneira fanática e incessante, mesmo quando as consequências que este exagero possa causar ao corpo sejam de conhecimento da pessoa. De acordo com os profissionais que estudam o transtorno, é cada vez mais comum o relato de jovens que chegam a passar até 12 horas malhando, com pequenos intervalos para descanso e refeições leves. Quando esses jovens, por algum motivo, são impedidos de frequentar a academia, surgem sintomas típicos de abstinência, como inquietação, nervosismo, dor de cabeça e irritabilidade, fobias e até depressão.

Os psicólogos explicam também que esse comportamento deve estar ligado a fatores psíquicos e fisiológicos, assim como ocorre com as compulsões e vícios típicos. “Após a atividade física, o corpo libera um hormônio que traz a sensação de prazer, a endorfina. E como acontece com tudo o que dá prazer, esse efeito também pode causar dependência e necessitar, conforme o tempo passa, de doses cada vez maiores para saciar o corpo”.

A obsessão por um corpo perfeito e a supervalorização da imagem pela sociedade e também pela mídia são os principais fatores que levam ao vício pelos exercícios físicos. “Algumas pessoas ficam obcecadas por romper limites e pagam o preço que for para alcançar as formas perfeitas”, explicam os pesquisadores do hospital paulistano.

Assim como acontece com qualquer outro transtorno psíquico, só a consulta com um especialista poderá confirmar a existência da obsessão por malhar. Mas os médicos deixam uma dica: “Quando as visitas à academia começam a atrapalhar a vida social e ficar um dia sem malhar chega a causar crises de abstinência, pode ser que você sofra de vigorexia. Então, não vacile: procure ajuda psicológica”.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

IURD na Fundação Casa uma reflexão.


Você já parou para analisar como anda a sua vida?Coisas que você fazia antes e que hoje fazem parte apenas do passado...Lembra das vezes que você se dedicava como nunca? Mesmo cansado do trabalho, ia correndo para Igreja, só pelo prazer de servir ao Senhor.. e no fim das contas, via que todo aquele cansaço era esquecido, pois Deus estava ali alimentando seu espírito..Com o passar do tempo, muitas coisas em nossas vidas acontecem..Um emprego que surge, uma promoção no trabalho, uma oportunidade de fazer alguns cursos, ou até mesmo o encontro com a pessoa amada.

Que ótimo, era tudo que você queria, mas será que você está sendo grato ao Deus que tudo lhe deu? Ou será que tem deixado que essas coisas passem a tomar o primeiro lugar na sua vida?São tantas ocupações que acabamos esquecendo do nosso Deus. Aquele que nos tirou do mundo, que perdoou nossos pecados, que estava presente quando todos nos deixaram..E com tantos afazeres, passamos a nos afastar de Deus e como conseqüência, passamos a achar que muitas coisas não tem mais nada a ver.. como ouvir um funk ou um pagode, um namoro mais avançado, ou até mesmo uma saidinha com aqueles velhos amigos do mundo. "Não faz mal mesmo, todo mundo faz." - Você pensa.Que estranho, você vai para igreja às quartas e domingos, talvez até faça uma corrente.. mas nada é como antes! As coisas não tem dado mais resultado.. Entretanto, a culpa não é de Deus! Deus nos admoesta em sua palavra quando diz: "..todo aquele que dentro vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo." (Lucas 14.33) Ou seja, se você quer seguir Jesus, certamente tem que abrir mão de todas as coisas do mundo.Mas sem perceber, você não voltou para o mundo, mas o mundo acabou voltando para dentro de você!E toda aquela comunhão que você tinha, todo aquele empenho para com a Obra de Deus não fazem mais parte do seu dia-a-dia, pois aquela essência do primeiro amor já não existe mais. Sem perceber, sua unção foi diminuindo e suas forças se esgotaram..Ninguém cai de uma hora para outra, você consegue lembrar onde tudo começou?Talvez você lembre do seu encontro com Deus, mas e de seu DESENCONTRO, você lembra?Quando caímos em si, já estamos longe demais. Sua oração não passa mais do teto e sua busca já não traz mais lágrimas de arrependimento, nem felicidade ao adorar a Deus.Será que o "cristão moderninho" tomou conta de você?Será que onde você trabalha, estuda ou mora, as pessoas o reconhecem como homem ou mulher de Deus?Se suas respostas não têm sido as que Deus gostaria de ouvir, Deus hoje quer falar com você!Deus nos escolheu e sabe dos nossos defeitos e mesmo assim Ele nos ama. Ele sofreu naquela cruz para que todos os nossos pecados fossem perdoados e para que sua misericórdia tivesse validade diante de tudo isso.Você pode ser membro, obreiro, pastor, esposa de pastor, mas se você reconhece que precisa de ajuda, volte correndo pra Deus.Admita sua fraqueza e peça perdão. Seja sincero e humilde diante de Deus. Peça para que Ele te ajude a recomeçar. Levante a cabeça, você é importante pra Deus!!Então, busque pelo seu REENCONTRO com Deus, porque Ele não lhe negará o Seu perdão!"Levantar-me-ei, e irei ter com o meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus trabalhadores. E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou.." (Lucas 15.18-20)

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Dia dos pais.



O escritor e roteirista Mário Prata, em um de seus textos mais conhecidos, intitulado “Filho é Bom, Mas Dura Muito”, faz um humorado – mas realista - alerta àqueles que desejam ser ou já são pai. Logo na primeira linha, Prata vai logo avisando:

“Aproveita agora, porque, depois que o seu filho nascer você nunca mais vai ter sossego na vida. Você nunca mais vai dormir”.

E as sucessões de alertas e avisos vão se seguindo por todo o texto, passando pela fase dos “porquês”, do primeiro dia na escola, das corridas frequentes ao hospital, porque o guri se recusa a parar quieto, até chegar à fase mais temida por toda a família: a adolescência!

“Aproveita agora, que ele ainda não entrou na adolescência. Pois, quando entrar, você nunca mais vai ter sossego, nunca mais vai dormir Não se esqueça da íntima relação entre a palavra adolescência e adoecer. Não ele, mas, sim, você”.

”Aproveita agora, que ele ainda não está andando em más companhias, porque você vai ter que aturar figuras saídas sabe-se lá de onde, com cabelos, brincos e tatuagens que você jamais poderia imaginar um dia conviver”.

Não há dúvidas de que educar os filhos e ajudá-los a moldar o próprio caráter que os acompanhará por toda a vida não é tarefa fácil. E, segundo os psicólogos, de nada adiante ter controle total dos passos dos filhos, afinal, “educar não é sinônimo de controlar”.

Os psicólogos deixam claro também que, na relação entre pais e filhos nem tudo é para ser discutido, nem tudo é para ser confessado. “A privacidade é uma necessidade de qualquer indivíduo, e com os adolescentes não há porque ser diferente”, alertam. Tal premissa é válida também para os pais que querem ter total controle sobre todos os aspectos da vida dos filhos. Muitos pais querem saber o que eles leem, o que veem na TV, sobre o que conversam na escola, ou então ficam ligando para o filho de cinco em cinco minutos para saber onde ele está e o que está fazendo. Se à primeira vista o comportamento parece exemplar, saiba que psicólogos e educadores não pensam assim.

“É preciso que os pais conheçam bem os filhos não para sufocá-los ou controlá-los impetuosamente, mas sim para ensiná-los a tomar todas aquelas decisões com autonomia, inteligência e responsabilidade”.

E é bom que assim seja, pois, do contrário, e como diria Mario Prata, “Aproveita e faça isso agora, antes que eles pensem em te colocar num asilo para velhinhos”.

domingo, 8 de agosto de 2010

Lançamento da Pedra Fundamental da Réplica do Templo de Salomão



O bispo Edir Macedo deu o primeiro passo para a construção, lançando a pedra fundamental
Por Jaqueline Corrêa
jaqueline.correa@arcauniversal.com
Milhares de pessoas estiveram presentes no terreno do Brás, hoje, domingo (08), às 9h30 da manhã, e também às 4:30 da tarde, onde será construída a réplica do Templo de Salomão.


Na concentração realizada pela manhã o bispo iniciou com uma canção, símbolo do Templo, fazendo, em seguida, uma pausa, dizendo que a parte da canção que mais lhe chama atenção é o trecho que fala “...todos que queriam podiam lá entrar...”, dando referência de que todos que quiserem poderão entrar no lugar. Disse também que a pessoa não precisa de ninguém para chegar até Deus. Onde ela estiver pode buscar a Sua presença.

Ele disse que com sinceridade Deus ouve a nossa oração. E isso independe de pecado; Ele ouve a oração da pessoa que tiver sinceridade em seu coração, porque é isso o que agrada a Deus. Por outro lado, a pessoa pode ser religiosa, não fazer mal a ninguém e ainda assim não agradar a Deus por ser fingida e não ser sincera.

O bispo falou ainda sobre a oração de Salomão: “Ouvi a tua oração e a tua súplica que fizeste perante mim...”(1 Reis 9:3) Segundo o bispo, “Deus ouviu a oração sincera de Salomão, mesmo sabendo que lá na frente ele iria se corromper com a idolatria. O seu pecado fez como Deus banisse o Seu povo do lugar em que estava, como já havia dito. E o mesmo tem acontecido com muitos ex-pastores, ex-obreiros e ex-membros, que têm saído da presença de Deus. No entanto, com a construção do Templo de Salomão essas pessoas terão a oportunidade de retornarem para Ele”, explicou.

Além disso, o bispo falou que o que mais glorifica a Deus é quando Ele vê uma pessoa necessitada sendo atendida e sua alma sendo salva.

Logo após esta palavra, foi dado início ao primeiro passo para a construção do Templo: o lançamento da pedra fundamental, a primeira pedra das milhares que serão assentadas na construção. Para isso, ele disse as mesmas palavras de Jesus a Pedro: “Também te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mateus 16:18). “A pedra não é Pedro e sim a fé no Deus vivo”, disse o bispo.

Ele pediu, em seguida, para que as pessoas estendessem as suas mãos e orou: “Essa pedra será aquela que salvará o povo que chegar até o lugar a partir de hoje.”


O bispo continuou explicando que “a Casa de Israel somos nós, o verdadeiro templo do Espírito Santo e o segredo para nos mantermos salvos é nos mantermos no Altar de Deus, na Sua presença”.

E aconselhou a todos ao dizer que “quem quiser paz está no lugar errado, pois o Altar é lugar de guerra”. Além disso, falou sobre pessoas que possuem fé apenas para garantir sua salvação eterna. Porém, para o bispo, há quem tenha fé para conquistar as promessas divinas, visto que na Bíblia há mais de 8 mil promessas relatadas. E é exatamente devido a isso que é “inadmissível uma pessoa viver na miséria, se ela crer em Deus!”, exclamou.

O bispo finalizou profetizando: “nós vamos construir o Templo aqui (em São Paulo) para nos alegrarmos. Os judeus, em Israel, lamentam por não terem um lugar para fazerem seus sacrifícios a Deus, mas todos nós vamos nos alegrar com a construção deste Templo”.

Em seguida, admitiu: “O meu sonho era que todos pudessem ir a Israel, mas isto é praticamente impossível. Se o povo brasileiro não pode ir a Israel, então, vamos trazer Israel para o Brasil”.



Concentração de fé a tarde


Às 16h o bispo Macedo, falou que ele próprio é testemunho vivo de que Deus tem abençoado “aqueles que se entregam de corpo, alma e espírito no Altar de Deus”. Falou que o povo de Deus também tem que ser assim.

Ele orou por todos ali presentes e ministrou a cura sobre os doentes, citando o milagre de Jesus sobre a mulher hemorrágica e disse que a oração que mais ele gosta de fazer é pedir para que o povo tenha mais maturidade espiritual e não ê importância somente às coisas materiais. Mesmo assim, afirmou que é o povo de Deus quem deve financiar a Sua obra, pois o Seu povo deve ser abençoado em todos os sentidos.Após isso, ele fez uma oração de busca ao Espírito Santo e encerrou dizendo que a fé é que vai garantir a vitória do povo de Deus com a construção do Templo, que será para honra e glória do Senhor Jesus.




Judeus e cristãos unidos na construção do Templo

Shalom,

Nesta semana, saiu no jornal de Israel uma matéria de um parlamentar judeu, falando da construção do Templo. Ele disse: “Onde já se viu uma igreja querer construir o grande Templo? Só podem estar querendo arrastar os judeus para este lugar. Alguns judeus religiosos estão preocupados, pois sabem que todos os judeus estão esperando o templo ser levantado para poderem adorar a Deus.”

O pastor Israel foi fazer compra para a loja, e o dono da empresa, um judeu religioso, disse: “Vi na internet que vão construir o Templo e logo pensei que era a igreja de vocês. É verdade o que vi?”

O pastor mostrou no Blog do bispo Macedo; ele ficou maravilhado e disse: “Se eu ajudar, vocês colocam o meu nome no Templo? Como faço para ajudar?” O pastor mostrou os dados da conta no Blog. Ele disse: Vou ver com meu banco como fazer a minha ajuda. E já falei com minha esposa que quando o Templo for levantado vamos até o Brasil para adorar a Deus.” Ele, sendo judeu, disse: “Se meu nome estiver no templo e eu for adorar a Deus, tudo na minha vida vai dar certo.

”

Houve outro judeu que ligou para o pastor Israel e disse: “Esse bispo Macedo é muito inteligente. Ninguém teve coragem de tomar esta atitude de levantar o Templo e, com certeza, muitos judeus irão para o Templo adorar a Deus.” Ele também disse não ligue para este judeu que escreveu esta matéria falando mal, pois, já que ainda não foi levantado o Templo em Israel, com certeza muitos judeus irão ao Brasil para adorar a Deus no Templo de Salomão.

É como disse o bispo Macedo: “Mais do que nunca, temos que estar preparados. A nossa guerra foi, é e será maior ainda, pois o diabo sabe que o templo sendo levantado vai chamar a atenção do mundo.

Vamos nesta guerra, pois a vitória é do povo de Deus.

Pastor David Soares (Nazareth – Israel)

Doação para o Templo:

Banco do Brasil – Ag. 3221-2
CC: 1258-0

Bradesco – Ag. 3396-0
CC: 865-6

Veja mais:

- Lançamento da pedra fundamental do Templo

- Suor, sangue e lágrimas

- Notícia da construção repercute pelo mundo

- Projeto do Templo da IURD

Espalhe por aí:

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

O TEMPLO


construção do Templo de Salomão teve as seguintes características:

1 – Projeto desenhado por Deus;

2 – Construção executada pelos Seus servos e

3 – Única em todo o mundo.

As mesmas características se darão com o Templo a ser edificado em São Paulo – Brasil.

Como na construção do Tabernáculo Deus habilitou homens com sabedoria para elaborar e construir seus objetos sagrados, da mesma forma Ele tem habilitado servos para nos ajudar com ofertas substanciais para a construção do Templo.

Na construção do primeiro Templo, Davi convocou Israel, dizendo: Quem, pois, está disposto, hoje, a trazer ofertas liberalmente ao Senhor? I Crônicas 29.5

A mesma pergunta faço hoje aos servos de Deus. Porque o Mesmo Espírito que impeliu Israel naquela Obra está movendo pessoas a nos ajudar nesta.

A obra de terraplenagem do terreno, somada às pedras importadas de Israel, vão custar 70 milhões de reais. Este é o custo inicial até o final do ano.

Se você for tocado pelo Espírito a colaborar, então, por favor, use a seguinte conta bancária para fazer sua doação em nome da Igreja Universal do Reino de Deus e entregue o recibo de depósito numa Iurd.

E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades. Filipenses 4.19

Banco do Brasil – Ag. 3221-2
CC: 1258-0

Bradesco – Ag. 3396-0
CC: 865-6

Cegas de ciúmes



Testes mostram os efeitos de uma sensação de traição nas mulheres.
As crises podem provocar até desmaios

Uma pesquisa realizada na Universidade de Delaware (EUA) provou que o ciúme realmente pode “cegar” uma pessoa. Os psicólogos Steven Most e Jean-Philippe Lauren-
ceau selecionaram alguns casais de namorados e os colocaram lado a lado em computadores separados. Na primeira parte do teste, foi sugerido que o casal detectasse detalhes de paisagens em imagens que passavam rapidamente pela tela. Na segunda parte, uma surpresa: as mulheres continuariam a buscar paisagens, enquanto eles avaliariam quão atraentes eram as moças que o computador exibia. E foi nesta hora que o ciúme mostrou seu efei-
to enlouquecedor.
“Quanto mais as mulheres se sentiam desconfortáveis ou com ciúmes do namorado, mais elas ficavam distraídas com as imagens irrelevantes que estavam sendo exibidas para elas, a ponto de se tornarem incapazes de detectar o alvo que sugeríamos procurar. Em outras palavras, o ciúme as deixou tão focadas em uma imagem negativa que a percepção emocional delas foi reduzida a ponto de deixá-las “cegas”, diz o professor-assistente
Steven Most.E os efeitos do ciúme não param por aí. “Uma crise de ciúme provoca a liberação de adrenalina no corpo, que é o hormônio lançado no sangue quando a pessoa está em risco. Com ele vêm efeitos como dor no peito, travamento do maxilar, pernas trêmulas e até queda de pressão arterial a ponto de a pessoa desmaiar”, explica o psiquiatra Eduardo Ferreira, especialista no tema e autor dos livros “Ciúme: o medo da perda” e “Ciúme: o lado amargo do amor”.
Segundo o médico, a raiz do ciúme é a baixa autoestima. “Pessoas ciumentas têm personalidade frágil, são dependentes emocionalmente, têm a autoestima baixa, não confiam em si mesmas e no fato de que o parceiro escolheu ficar ao lado dela”, define Ferreira. “Há quem
defenda também o ciúme causado por problemas hormonais, como falta de serotonina”, complementa.
A pesquisa dos norte-americanos foi realizada com mulheres, mas os homens podem ser enquadrados como possíveis vítimas da cegueira também. “Por razões metodológicas testamos somente as mulheres, mas nós teríamos o mesmo resultado com homens. Acreditamos que tocamos em um ponto da percepção emocional que é geral para ambos os sexos”, avalia Most.
Para quem sofre de ciúme, um dos caminhos é melhorar a confiança em si. “Se a pessoa escolheu ficar com você, isso já deveria bastar para não existir ciúme. E outra coisa: ninguém pertence a ninguém. Não é saudável, causa dor. Tenha segurança e confiança em si”, aconselha o médico. (K.M.)

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Contrato de crédito bancário


Consumidor deve ler as cláusulas antes de assinar o documento para conhecer seus direitos e obrigações com o acordo
Por Michele Roza
Assinar um contrato significa estabelecer um vínculo, entre duas ou mais partes, com premissas jurídicas e que garanta o acordo dos assinantes. Os contratos de crédito bancário são um compromisso assumido entre as instituições financeiras e seus clientes. O consumidor deve sempre ler o contrato antes de assiná-lo e ter conhecimento sobre seus direitos e obrigações referentes ao acordo. Mesmo que já tenha recebido as informações verbalmente e em detalhes.

Em caso de dúvidas, o cliente deve pedir ao gerente do banco que as esclareça. “Os contratos de adesão são muito longos e não têm fácil leitura. Assim, como previsto no Código de Defesa do Consumidor, eles devem ser emitidos em caso de fornecimento de contratação de serviço que envolva crédito. Mas, para ter valor tem que dar oportunidade para se conhecer o serviço”, afirma Selma do Amaral, assistente de direção da Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor de São Paulo (Procon-SP).

Em geral, os contratos de crédito regem operações que duram um prazo específico, meses ou anos, ou até o cumprimento do objetivo. As cláusulas contratuais são normas do acordo. Segundo Selma, uma modificação feita após o fechamento do contrato não pode prejudicar o consumidor, nem com o consentimento dele, segundo lei de ordem pública. As cláusulas podem ser atualizadas, mas nunca unilateralmente. A rescisão também fica prevista no documento sujeita a penalidade de multa, que não pode ser abusiva, ou seja, desequilibrar o contrato inicial.

Os principais cuidados que o consumidor deve tomar na hora da assinatura do documento incluem, além de ler o contrato antes de assiná-lo, receber uma cópia impressa do mesmo e nunca assinar uma página em branco. Os campos que não podem ser preenchidos devem ser completados com traço ou linha horizontal. Os contratos de crédito também devem conter informações sobre o custo da operação na sua totalidade, como:

  • Custo Efetivo Total (CET) em %: inclui a taxa base de juros, as tarifas sobre a contratação, IOF e demais custos que onerem o contrato;
  • Prazos do contrato;
  • Número de prestações;
  • Encargos moratórios;
  • Taxas de administração;
  • Multas por inadimplência;
  • Formas de liquidação do empréstimo.

Todas as regras para os contratos de crédito bancário valem também para as contratações realizadas fora dos canais de atendimento dos bancos, por exemplo, numa construtora para aquisição de um imóvel.

Venda casada

No ato da contratação, os bancos podem oferecer outros produtos e serviços a seus clientes, mas não podem condicionar a concessão de um crédito à contratação de qualquer outra oferta. Ainda que alguma outra contratação seja necessária (por exemplo, um seguro, no caso dos contratos de financiamento imobiliário), caberá ao consumidor decidir o quanto e com quem realizar essa outra contratação. “A venda casada é proibida pelo Código e entendida como uma prática abusiva, e deve ser denunciada. O consumidor pode procurar o Procon para esclarecer os fatos. Uma instituição deve arcar com os seus próprio riscos de inadimplência e não cobrar isso do consumidor”, conclui Selma.

Com informações da Federação Brasileira de Bancos (Febraban)