quinta-feira, 12 de julho de 2012

MENTIRAS EXTREMAS





MESMO AS PESSOAS PSICOLOGICAMENTE SAUDÁVEIS CONTAM, EM MÉDIA, UMA MENTIRA A CADA CINCO MINUTOS, SENDO A MAIS COMUM DELAS OS "FALSOS ELOGIOS", MOSTRA ESTUDO DA USP 


NOS CASOS PATOLÓGICOS NÚMERO DE MENTIRAS DITAS PRATICAMENTE É O MESMO; O QUE MUDA É O 'MENTIR POR MENTIR', SEM QUE SE TIRE PROVEITO DA BLASFÊMIA

UM ESTUDO REALIZADO PELO HOSPITAL DE PSIQUIATRIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO  mostrou que uma pessoa normal mente mais de duzentas vezes ao dia, o que dá , em média, uma mentira dita  a cada cinco minutos, sendo a mais comum delas os elogios falsos.  Logo em seguida vêm as desculpas, quase sempre utilizadas   quando há medo das consequências, insegurança, baixo autoestima ou para se isentar de culpa. Mesmo assim, em todos esses casos, a necessidade de mentir pode ter causas internas, como a necessidade de mostrar aos outro a pessoa é melhor do que é realmente, ou externas, que vêm à tona por pressão ou coação, por exemplo.

MAS A MENTIRA É TAMBÉM  CLINICAMENTE RECONHECIDA COMO PATOLOGIA, e ela é assim definida em casos em que mentir  se tornar uma compulsão incontrolável e sem causa aparente. Os indivíduos acometidos por esse mal, segundo os pesquisadores da USP, têm necessidade inconsciente de mentir mesmo diante de casos extremamente banais. "Um bom exemplo é a pessoa que sai para fazer compras num dia ensolarado e, ao retornar, diz a todos que pegou uma chuva daquelas pelo caminho. Nesse tipo de caso, o mentiroso não se beneficia de sua blasfêmia. Ele mente por mentir", exemplifica um dos responsáveis pelo estudo, o psicanalista Roberto Freitas, que há mais de trinta anos  estuda o assunto.

OUTRO TIPO DE CASO BASTANTE COMUM - e também patológico - acontece quando o próprio indivíduo, levado pela compulsão de mentir continuamente, acaba por não distinguir mais a verdade da invenção. Geralmente, ele tem tanta convicção naquilo que diz, que ele próprio passa a acreditar que suas mentiras são eventos reais.

ESSES CASOS EXTREMOS MERECEM ATENÇÃO ESPECIAL e, hoje, já há tratamento voltado exclusivamente para esse tipo de transtorno, que combina terapia comportamental e medicamentosa. "Os resultados quase sempre são excelentes, mas a maior dificuldade, assim como a grande parte dos transtornos psiquiátricos, ainda é o paciente aceitar que necessidade de tratamento", afirma Fretias.

Um comentário:

  1. Infelizmente, hoje, há explicação para tudo. Tudo é doença, batizada com nome, sobrenome e apelido. E a solução, onde será encontrada? Há terapias, de todos os tipos, as quais somente amenizam o quadro ... mas sarar que é bom ... nem pensar. A medicina até descobriu o valor do perdão, que soluciona a baixo auto-estima, mas para a mentira, ainda está em estudo. Até dizem que há a mentira branca, para não prejudicar alguém. A mentira para se divertir, como a intriga, a fofoca, a calúnia, o trote nas faculdades, o bulliyng. Existe até o DIA DA MENTIRA. Mas ... quem será o inventor da mentira? Aí, teremos que recorrer à BÍBLIA: O PAI DE TODAS AS VERDADES ETERNAS, na qual está escrito que satanás é pai da mentira. Deus a bençoe a todos.

    Lourdes
    Jd. N. Sto. Amaro

    ResponderExcluir