sábado, 31 de março de 2012

GAROTAS DE PROGRAMA DE LUXO



MAIS DE 1,5 MILHÃO DE BRASILEIRAS SE PROSTITUEM NO PAÍS, ATIVIDADE QUE MOVIMENTA CERCA DE R$ 500 MILHÕES POR ANO



LONGE DOS GRANDES CENTROS, PROSTITUIÇÃO ATINGE TAMBÉM CRIANÇAS E ADOLESCENTES, QUE VENDEM O CORPO AO LONGO DE 2 MIL PONTOS DE "COMÉRCIO SEXUAL" ESPALHADOS PELAS RODOVIAS FEDERAIS

Mais de 1,5 milhão de pessoas se prostituem no Brasil, atividade que tem movimentado, todos os anos, cerca de R$ 500 milhões. Fora do País, com maior concentração na Europa (Espanha e Portugal), outras 75 mil garotas ganham a vida se prostituindo ou estão submetidas a regimes sub-humanos em prostíbulos dominados por grandes traficantes de mulheres. Nesses lugares, as vítimas das organizações que traficam pessoas com objetivos sexuais geram um lucro líquido de US$ 13 milhões (cerca de R$ 24 milhões) para seus exploradores, que vendem essas mulheres para uma rede de exploração sexual por valores que variam entre US$ 100 e US$ 1.600. Esses dados foram divulgados no final de 2011, em reportagem especial publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Ainda de acordo com a reportagem, apesar de o mercado do sexo movimentar cifras bem maiores no exterior, é dentro do Brasil que ele ocorre com maior intensidade e de forma mais "democrática", o que inclui a exploração sexual de crianças e adolescentes, atividade praticamente insignificante nos países europeus. Dados da Polícia Rodoviária Federal, por exemplo, mostram que as rodovias federais brasileiras têm 1.820 pontos de risco para exploração sexual de crianças e adolescentes. Os pontos estão espalhados em 66 mil quilômetros de estradas, sendo 67,5% deles em áreas urbanas.

Os locais de maior contração de prostituição, identificados pelos agentes da PRF, não são mais divulgados. O objetivo é impedir que ocorra a migração dos criminosos e preservar futuras ações repressivas. Mesmo assim, sabe-se que a exploração sexual de crianças e adolescentes ocorre com maior frequência nos corredores de escoamento de riquezas e em estradas que ligam regiões mais desenvolvidas a outras menos desenvolvidas, como no eixo Sudeste-Nordeste.

PERFIL

Às margens das rodovias federais, mulheres, crianças e adolescentes que se prostituem são, segundo a PRF, majoritariamente de classe baixa e de pouca ou quase nenhuma escolaridade, que vivem em famílias instáveis e desestruturadas. Tais características, dizem os agentes, inibem a oferta de trabalho a essas pessoas e as estimulam a se aventurar em diferentes esquemas, em busca de dinheiro e qualidade de vida.

LEGALIZAÇÃO


No Brasil, apesar das inúmeras tentativas de mudar de legalizar a atividade - O deputado Jean Wyllys (PSOL/RJ) é o principal defensor dessa ideia -, vender o corpo não e legalizado, e a exploração sexual é considerada crime. Em alguns países do primeiro mundo, no entanto - como Alemanha, Suiça, Holanda e Austrália -, já existem uma regulamentação da profissão. A justificativa dada não é só para lucrar, mas também para proteger as garotas de programa.

Um comentário:

  1. Infelizmente todos os dias aumenta a industria da prostituição mas os servos do Senhor Jesus continuam a levar a palavra de DEUS no sentido de libertarem estas almas das mãos do inimigo

    ResponderExcluir