domingo, 30 de novembro de 2014

Saiba como foi o “Dia da Missão” em todo o Brasil

Saiba como foi o “Dia da Missão” em todo o Brasil

180 mil convidados lotaram templos da Universal pelo País














Quem acompanha diariamente os noticiários percebe que a vida tem sido depreciada. Raiva, agressões e mortes são algo comum entre as pessoas. Mas, como mudar essa situação em tempos de tanta maldade?
Voluntários do Grupo de Evangelização da Universal, que diariamente realizam diversos trabalhos sociais em asilos, hospitais, com moradores de rua e de porta em porta, buscam transformar essa situação por meio da Palavra de Deus. E foi exatamente o que fizeram no último dia 7 de setembro. Integrantes do grupo, juntamente com 180 mil convidados, participaram do “Dia da Missão”, encontro realizado nos templos da Universal de todo o País.
E como já diz o famoso ditado, “missão dada é missão cumprida”. Essa citação se tornou reconhecida e é utilizada por aqueles que aceitam e enfrentam desafios grandiosos e quase impossíveis aos olhos humanos. Um dos maiores exemplos esta descrito na Bíblia Sagrada, no livro de Lucas, capítulo10, versículo 2: “E lhes fez a seguinte advertência: A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.”
Compromisso assumido












O bispo Luís Carlos, responsável pelo trabalho com os evangelistas no Brasil, organizou a reunião especial e pediu para que todos os voluntários convidassem membros da Universal que desejassem fazer parte do Grupo de Evangelização. Cerca de 22 mil pessoas em todos os estados aceitaram o desafio e firmaram um compromisso de servir a Deus.
Ex-usúario de drogas, Luís Carlos da Silva (foto ao lado) foi um dos que aceitaram a missão. “Tive duas overdoses por causa do uso excessivo de entorpecentes. Exatamente no dia em que agredia a minha esposa, a ponto de querer matá-la, uma evangelista bateu à porta da minha casa. Quando atendi, ela me disse: ‘Não sou eu que bato à sua porta, e sim Jesus.’ Aquelas palavras mexeram comigo,” declara.
Hoje, Luis faz parte dos que aceitaram a missão de levar a Palavra de Deus aos necessitados e aflitos.


Sisterhood visita internas da Fundação Casa

Voluntárias distribuem kits e livros para menores infratoras

Por Sabrina Marques
redacao@arcauniversal.com
Amor e dedicação são características presentes em todas as voluntárias do Sisterhood, grupo que surgiu em dezembro de 2009 e tem a finalidade de resgatar a essência feminina colocada por Deus em cada mulher. Desta vez quem recebeu o carinho dessas mulheres foram as internas da Fundação Casa “Chiquinha Gonzaga”, da Mooca, bairro localizado na zona leste da capital paulista.

As mais de 140 internas do local receberam kits de higiene pessoal e também centenas de livros “A mulher V”, da escritora e fundadora do Sisterhood, Cristiane Cardoso.

Além das doações, as internas também ouviram mensagens de fé e esperança, contidas na Palavra de Deus. Para o responsável pelo trabalho evangelístico dentro da Fundação Casa, pastor Geraldo Vilhena, a iniciativa do grupo é fundamental para a ressocialização e mudança de comportamento das menores infratoras. “Este é um trabalho excelente, pois a presença das voluntárias fez com que as jovens se aproximassem mais. Muitas abriram o coração, choraram após receber as orientações das esposas dos bispos, elas elevaram a autoestima, que a muito tempo estava em baixa, este evento foi muito bom”, conclui o pastor Geraldo Vilhena.

Momento da entrada do grupo Sisterhood

Uma palavra de fé


Jovens internas recebem um atendimento das esposas dos bispos e pastores

Leitura do livro A MULHER V

Senhora Margarete esposa do bispo Marcos com duas internas da Fundação Casa.

Senhora Rosilene esposa do bispo Jadeson com uma jovem interna.

Senhora Marcia esposa do bispo Romualdo antendendo uma jovem interna

Senhora Fátima esposa do bispo Clodomir atendendo jovens internas.

Uma visita na Casa das mães na Fundação Casa

Uma oração para finalizar.

sábado, 29 de novembro de 2014

Ebola: a Universal em pleno campo de batalha

Ebola: a Universal em pleno campo de batalha

Pastores relatam de Serra Leoa a luta espiritual contra a epidemia


Nesta quinta-feira (23), autoridades norte-americanas confirmaram o primeiro caso de ebola em Nova York, a maior cidade dos Estados Unidos. Trata-se do médico Craig Spencer, de 33 anos (na foto ao lado, com sua noiva), que trabalhou na Guiné com a organização humanitária Médicos sem Fronteiras (MSF) e deixou o país no dia 14 último. Ele chegou a Nova York depois de uma escala na Europa, usou metrô, andou de táxi e visitou um boliche desde que voltou à cidade, mas as autoridades locais asseguraram que "não há motivo de alarme", porque Nova York está se preparando há meses para essa situação.

Dois amigos do médico e a noiva dele estão em quarentena. Spencer é o nono caso de Ebola nos Estados Unidos. O vírus já matou quase 5 mil pessoas, principalmente na Libéria, Serra Leoa e Guiné.
Serra Leoa
O pastor Walker Mugesani Kanzika há 2 anos cuida dos trabalhos de evangelização em Serra Leoa, um dos países atualmente mais afetados pelo surto de ebola no continente africano – já são mais de 2,4 mil mortos e mais de 700 mil famílias em quarentena no país, segundo ele relata ao Universal.org. Ainda assim, o pastor Walker e sua família não pensam em voltar para o Brasil por medo da doença mortal. Ele tem noção de que seu papel numa luta tão séria é muito importante.
Em uma entrevista à Folha Universal no início de setembro, quando o ebola já causava sérios danos a Serra Leoa, o pastor Walker disse que o isolamento é a palavra de ordem no país, com a maioria da população evitando, sempre que possível, o contato com outras pessoas. Ainda assim, os fiéis comparecem às reuniões e outros eventos da Universal.
O contato direto com os doentes é proibido pelas autoridades locais para prevenir o contágio, mas isso não impede o trabalho humanitário da Igreja. “Pelo fato de não nos permitirem acesso às pessoas infectadas, usamos nossos meios de comunicação e nossas reuniões para passar a fé ao povo e aos familiares dos doentes e ensinamos todos a se prevenirem e cuidarem da higiene. Na própria Universal colocamos um mecanismo que ajuda as pessoas a lavar as mãos com água e cloro”, disse o pastor ao jornal na ocasião.
As condições perigosas da época continuam, segundo o pastor conta agora ao Universal.org: “Não podemos ter qualquer contato com as pessoas portadoras do vírus. Essa doença mata as pessoas em apenas 21 dias. Por isso o Governo isolou os contaminados.”






Luta constante
A batalha da Universal não cessou. “O trabalho da Igreja não mudou, continua intenso. Os horários das reuniões seguem normalmente. Com a propagação do vírus, a procura por ajuda espiritual aumentou e está tão intensa que neste mês (outubro) será inaugurada mais uma Universal aqui. Até esse momento não chegou nenhuma pessoa com o vírus (à igreja), até porque uma vez descoberto o contágio, a pessoa e a família imediatamente são isoladas”, diz o pastor Walker.
Segundo ele, não há melhoras até o momento: “A situação é bem pior. Só na semana passada, 425 pessoas foram infectadas neste país, no qual 2.408 pessoas já morreram, e em quarentena são mais de 700 mil famílias. A doença chegou até mesmo ao único lugar de Serra Leoa que não havia sido infectado ainda, a província de Koinadugu, ao norte. Por isso o Governo tem agido rigorosamente para tentar conter esse vírus, pois por um simples contato, por uma troca de talheres, pelo uso da mesma toalha e até mesmo num aperto de mão, pode ser transmitido o vírus.”
Perguntado se teme por sua vida e a dos seus entes queridos, o pastor é categórico: “Não penso em voltar para o Brasil. Tampouco estou com medo. Quando viemos para este país estávamos cientes dos riscos, e isso só aumentou o desejo de ajudar as pessoas.”
Enviado ao “front”
Rafael da Silva, outro pastor da Universal, partiu do Brasil para ajudar os serra-leoneses quando a epidemia já havia começado. Ele também relata que não é possível estar com os doentes pessoalmente. “A fiscalização e o monitoramento são muito fortes, mas recebemos mensagens de familiares pedindo orações e a procura por abrigo espiritual aumentou.”
O pastor Rafael mostra sintonia com o colega Walker no que diz respeito à disposição para a luta espiritual da Universal: “De forma nenhuma eu e minha esposa pensamos em voltar para o Brasil. Quando viemos para este país sabíamos dos riscos, mas temos mais interesse em ajudar essas pessoas.”

UNIVERSAL comemora aniversário da unidade da Fundação CASA Fênix.

E dia de festa! Parabéns


Comprovadamente sete e o número da perfeição, pois foi neste período que Deus criou o mundo é tudo que nele há, e a Fundação Casa Fênix completou 07 anos na última segunda-feira 06/10 com a gestão da Sra. Rosana.  


O evento teve a abertura com uma mensagem de fé e esperança do Pr. Geraldo, que engajou um bate papo com a ex-sensitiva  Marta Alves falando sobre sua história de vida, que teve momentos difíceis por conta da escolha de se entregar a espíritos malignos e fazer rituais para prejudicar outras pessoas.
Marta relatou que fazia tudo pois tinha a esperança de receber o poder que tanto prometiam, que teria uma vida próspera e feliz.   Mas nada disse aconteceu ao contrário somente sofrimento e dor.  Várias perguntas foram feitas pelos garotos pois muitos deles também já passaram por esta experiência. 
Porém Pr. Geraldo explicou sobre a importância de ter uma aliança com Deus par que tenham o livramento do mal e direção par fazer as melhores escolhas.

 Fez uma oração para libertação de todos os vícios e para que o Espírito Santo guardasse a cada um.


Em seguida a primeira tecladista e cantora da Igreja Universal do Reino de Deus  Cristina Miranda alegrou ainda mas a manhã com suas canções.

Enfim, saímos daquela unidade com a sensação de dever cumprido e que nosso carinho e afeto ficou na memória dos garotos e respectivos familiares.