sexta-feira, 31 de maio de 2013

Os riscos do consumo precoce Contato de crianças com bebida alcoólica aumenta chances para a compulsão






O gole despretensioso, feito só para provar ou experimentar uma bebida alcoólica, pode ser determinante na vida dos jovens. Uma pesquisa inédita feita pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid) da Universidade de São Paulo (Unifesp) revela que, quando o primeiro gole é feito por menores de 12 anos, ele aumenta em 60% as chances de a criança se tornar um consumidor abusivo na fase da adolescência.

O estudo, feito a partir de entrevistas realizadas com 17 mil adolescentes de todo o Brasil (alunos do ensino médio de escolas públicas e privadas), mostra o quanto é perigoso tornar o álcool uma bebida acessível à juventude. A pesquisa também apresentou outro dado relevante: 82% dos entrevistados afirmaram já ter consumido algum tipo de bebida alcoólica e, desse total, 11% experimentaram pela primeira vez ainda na infância.

Para a professora do Departamento de Medicina Preventiva da Unifesp e uma das pesquisadoras responsáveis pelo estudo, Zila Sanches, o contato que a criança tem com bebidas na infância pode gerar um adolescente que ocasionalmente fica de porre e pode, sim, adquirir um padrão abusivo de consumo.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 320 mil pessoas entre 15 e 29 anos morrem ao redor do mundo anualmente de causas relacionadas ao consumo do álcool. Apesar de proibida a venda para menores de 18 anos, a bebida alcoólica ainda é o primeiro tipo de droga que eles experimentam.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Uma palavra pode mudar a sua vida.


Quem é normal? Manual psiquiátrico aumenta número de doenças e causa polêmica

A partir de agora você pode se descobrir doente mental do dia para a noite. Uma publicação da Associação Americana de Psiquiatria está causando muitas controvérsias. A nova edição do “Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais” (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, ou DSM-5, na sigla em inglês), conhecido como a “bíblia da psiquiatria”, amplia o leque de doenças mentais, englobando comportamentos que são vistos como normais e outros que eram vistos como sintomas de outros transtornos. A publicação é utilizada por médicos em todo o mundo, inclusive no Brasil, como base para se definir o que é “normal” e o que não é. 

Se hoje em dia os diagnósticos de depressão e transtorno bipolar se avolumam e medicamentos controlados são vendidos aos montes, quanto mais não serão depois dessas novas regras, em que até mesmo o período de luto, se prolongado por mais de duas semanas, poderá ser diagnosticado como depressão? Muitos médicos criticam o novo manual, enquanto outros certamente o receberão de braços abertos, como têm feito há tantos anos, junto com os representantes dos laboratórios e suas cápsulas de respostas às doenças listadas no manual. A cada nova doença, um novo medicamento.

Os críticos dessa edição apontam falhas nos critérios para efetuar diagnósticos (além de questionarem os novos “transtornos”). Com menos sintomas a serem considerados, agora temos uma margem muito mais estreita do que é realmente normal. “As fronteiras da psiquiatria continuam a se expandir, a esfera do normal está encolhendo”, afirma o psiquiatra Allen Frances, que, ironicamente, coordenou a quarta edição do manual, lançada em 1994.

Agora, a criança que se joga no meio do supermercado, gritando e esmurrando o chão, pode ser diagnosticada como portadora de “Transtorno Disruptivo de Desregulação do Humor” . Crianças (de até 18 anos!) que apresentam “irritabilidade persistente e episódios frequentes de extremo descontrole comportamental” pelo menos três vezes por semana, ao longo de 1 ano, poderão ser diagnosticadas com esta nova doença. “Meu temor é que crianças normais com ataques de birra sejam diagnosticadas equivocadamente e recebam medicação inapropriada”, alerta Frances. Seu temor tem fundamento. Se não abrirmos os olhos, poderemos nos tornar uma massa consumidora de pílulas para qualquer coisa que alguém diga que é um distúrbio.

Agora que fomos todos, em menor ou maior grau, etiquetados como “doentes mentais”, quem sabe a sociedade abra os olhos e se dê conta do quão ridículo é entregar a algo ou alguém o poder de definir quem é normal.

Confira algumas novas “doenças”

Compulsão alimentar periódica

Quem devora quantidades excessivas de comida descontroladamente, e em período de até 2 horas, agora é considerado doente mental

Skin-picking

Esse transtorno consiste em cutucar a pele constantemente, causando ferimentos. A nova doença foi incluída no capítulo sobre transtorno obsessivo-compulsivo e doenças relacionadas

Transtorno Disfórico Pré-Menstrual

Uma forma mais grave de TPM (Tensão Pré-Menstrual), o Transtorno Disfórico Pré-Menstrual é classificado como doença mental

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Você quer ver o Templo de Salomão pronto? (assista este vídeo)



video


Apelos da mídia levam crianças a trocar brincadeiras típicas da idade por comportamentos de gente grande



A banalização de comportamentos eróticos na mídia tem estimulado crianças a substituir a infância por imitações da vida adulta. A qualquer hora do dia ou da noite, é possível encontrar na televisão moças com roupas curtas rebolando ao som de músicas que remetem ao ato sexual. Em filmes, seriados e novelas, personagens escandalosas, cenas de sexo, vocabulário chulo, violência e a vulgarização da mulher dominam. Tudo isso é acompanhado por pais e filhos como algo natural. Na internet, os exageros se repetem.

Um dos casos mais recentes envolvendo erotização de menores está sendo investigado pelo Ministério Público de Niterói, no Rio de Janeiro. Há denúncias de que as coreografias do grupo Bonde das Maravilhas – com integrantes entre 13 e 20 anos de idade – tenham apelo sexual. Um dos vídeos do Bonde já foi acessado mais de 26 milhões de vezes na web. Em defesa do grupo, seu empresário afirmou ao portal UOL que as músicas não são eróticas e fez uma revelação preocupante para os pais: o Bonde deve lançar músicas para o público infantil.

Enquanto isso, programas de auditório exploram a imagem de crianças que mais parecem adultos em miniatura. Em lojas de roupas, muitos trajes infantis são cópias idênticas de peças típicas do vestuário das chamadas “periguetes”, sempre muito curtas e justas. Indústrias de cosméticos investem em maquiagem para meninas e uma infinidade de produtos de beleza infantis ocupa prateleiras de supermercados e farmácias em recipientes coloridos e chamativos. Como se não bastasse essa lição de “faça como eu faço”, uma empresa de bebidas alcoólicas chegou ao absurdo de criar um “espumante” sem álcool com garrafas semelhantes às da bebida para adultos. A diferença é que a embalagem do refresco infantil trazia personagens de desenhos animados.

Diante desse cenário, como evitar a erotização precoce das crianças e a invasão do mundo infantil por coisas típicas de gente grande? Segundo a coordenadora da EBI (Educação Bíblica Infantojuvenil) São Paulo, Jane Garcia, os pais devem ser responsáveis por traçar os limites para os filhos. “Não dá para fugir. Desde que o mundo é mundo há o lado obscuro. O problema é que hoje essas influências negativas estão mais acessíveis para as crianças. Os pais devem investir na educação, colocar limites e regras por meio do diálogo e do próprio exemplo”, explica a coordenadora, que ainda atua no Pré-Sisterhood, trabalho da Universal aberto para meninas de 6 a 14 anos.


Jane destaca a importância de se resgatar os valores perdidos durante as transformações da sociedade. De acordo com a especialista em educação, essa é uma das grandes preocupações das reuniões no Pré-Sisterhood. “A essência é fazer com que as meninas se sintam bem com elas mesmas e que elas se transformem em pessoas melhores. Resgatamos coisas que a sociedade tem deixado de lado, a essência do que é ser mulher, a feminilidade”, explica. Jane argumenta que a criança precisa ter responsabilidades, como fazer os deveres escolares, organizar os brinquedos e ajudar os pais nas tarefas da casa.

Dar limites não é tarefa fácil, mas a criança é capaz de fazer opções corretas quando bem orientada. “Os pais devem explicar o que é certo e o que é errado, lembrar que há o livre-arbítrio e que as escolhas erradas podem ter consequências futuras”, avalia. Ela ensina que, quando uma criança pedir para usar uma roupa muito curta e chamativa, o adulto deve explicar que aquela vestimenta não é boa, porque pode atrair a atenção de pessoas maldosas. Já os comportamentos inadequados como gritos, palavrões e desobediência devem ser explicados como uma forma de desagradar os pais e a Deus e, portanto, não são boas atitudes.

A tecnologia também rouba espaço de ursinhos de pelúcia, bonecas e carrinhos. Crianças que mal sabem falar já conseguem se virar muito bem com computadores, celulares e internet, tudo com a aprovação entusiasmada de pais e mães que ignoram os riscos envolvidos. Alguns ainda filmam os filhos dançando de maneira erótica e expõem as imagens na internet, incentivando-os a se tornarem adultos precocemente. A vigilância dos responsáveis pode ser o caminho para minimizar os exageros. “Os pais não devem deixar as crianças soltas, o perigo pode estar em casa! É preciso acompanhar as atividades dos pequenos e bloquear conteúdos impróprios”, ensina Jane Garcia.

Conectados

O livre acesso de crianças à internet é cada vez mais comum no Brasil. O problema é que, sem supervisão dos pais, a web pode se transformar em porta de entrada para conteúdos perigosos para os pequenos. Propaganda inadequada de produtos, bate-papo com estranhos e acesso a sites que promovem o ódio, a violência e a pornografia são alguns dos possíveis riscos.

Pesquisa do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) mostra que 53% das crianças e jovens de 9 a 16 anos usam a internet todo dia para entrar em redes sociais como o Facebook e o Twitter. O levantamento “Tic Kids Online Brasil 2012” ainda aponta que 66% acessam a web para assistir a vídeos, 54% para jogar games com outras pessoas e 54% para enviar mensagens instantâneas a amigos. Apenas 13% dos entrevistados usam a internet diariamente para fazer as atividades escolares.

Embora a maioria das redes sociais proíba a participação de menores de 14 anos, 42% das crianças entre 9 e 10 anos, 71% das de 11 e 12 anos e 80% dos adolescentes entre 13 e 14 anos possuem contas em redes sociais.

Dos participantes de 9 a 16 anos que utilizam redes sociais, 86% compartilham fotos que mostram seus rostos, 13% revelam seu endereço e 12% expõem o número de telefone. Desses, 22% passaram por alguma situação ofensiva na internet. Entretanto, apenas 6% dos pais acredita que os filhos tenham sofrido algum incômodo ou constrangimento. O estudo foi realizado pelo instituto Ipsos e ouviu 1,6 mil crianças e adolescentes entre 9 e 16 anos e 1,6 mil pais, entre abril e julho de 2012 (veja mais orientações sobre internet na pág. 10i).

terça-feira, 28 de maio de 2013

Como encontrar a saída quando a pressão dos problemas aumenta, a vontade de viver acaba e a única saída possível parece ser a morte?



No dia 6, o jovem Eduardo Hiroshi, de 35 anos, acabou com a própria vida. Segundo o Portal dos Jornalistas, o profissional de um jornal popular de São Paulo voltou para casa na hora do almoço, trocou a foto de seu perfil em uma rede social, divulgou a carta de despedida e simplesmente saltou da sacada do apartamento em que morava na capital paulista.

Bem-sucedido, Hiroshi já estava no ramo há 13 anos e na posição de editor, na seção que tratava de carros, sua paixão confessa. O que, então, levou um jovem como esse ao suicídio?

“O xis da questão é entrar em um desespero e não ver mais saída na vida”, explica o psicólogo Irineu Miano Júnior. “Na verdade, a pessoa não quer morrer, quer mudar de vida, quer alguma outra coisa que não aquilo que está vivendo, mas não encontra alternativa”, acrescenta.

Foi o que aconteceu com Ryoko Tashina, de 61 anos. Ao ser abandonada pelo marido, viu sua vida ser tragada por uma espiral que a levou ao fundo do poço. A ideia de suicídio não saía de sua mente e tentou se matar diversas vezes.

Em uma tentativa de mudar de vida e preencher o vazio que sentia, resolveu morar com o filho no Japão. “Achava que era o ambiente, que mudando de lugar minha vida mudaria também, pois estava cansada de tudo. Mas percebi que mesmo morando no Japão, tudo continuou a mesma coisa”, observa Ryoko.

A cultura do pessimismo, em que sobram exemplos ruins e previsões catastróficas, empurra as pessoas cada vez mais para baixo. E quando o pessimismo ganha uma aura de “intelectualidade” e um certo glamour, há a sensação de que os pensamentos negativos é que são, verdadeiramente, reais.

Os pesquisadores Daniel Prezant e Robert Neimeyer descobriram que mesmo com o nível de depressão controlado, a abstração seletiva e a supergeneralização se mantiveram como fatores de previsão do desejo de suicídio. A abstração seletiva é um erro de pensamento que consiste em prestar atenção a um detalhe negativo e ignorar o restante do quadro. É como se olhasse todas as situações com lente de aumento. Por exemplo, achar que receber uma avaliação negativa do chefe significa que todo o seu trabalho é uma porcaria. A pessoa ignora qualquer elogio e se foca apenas na crítica recebida, depois alimenta aquele pensamento focando cada vez mais no detalhe, desconsiderando o contexto.

Já a supergeneralização consiste em tirar uma conclusão negativa radical baseando-se em uma situação isolada e aplicar o conceito a outras situações. Por exemplo, achar que só por ter se sentido desconfortável com um grupo de pessoas, não tem capacidade de fazer amigos nunca será amado ou sequer aceito.

Aprender a desconfiar dos próprios pensamentos é um passo importante no caminho de mudar a direção da vida.

“Existem pessoas com predisposição emocional. O suicídio é mais frequente em quem não tolera frustrações, por exemplo”, ensina Fernanda Rezende, psicóloga clínica e hospitalar com especialização em tanatologia (estudo da morte).


Levantamento da Organização Mundial da Saúde divulgado em setembro do ano passado aponta que um milhão de pessoas se mata por ano, em média, o equivalente a 0,01% da população mundial. É como se alguém se matasse a cada 40 segundos.

O componente da impulsividade até está presente, mas não é o principal. “Ninguém acorda e pensa: ‘Vou me matar!’ É um processo. A pessoa vai tentando pequenos suicídios, quase como uma necessidade de pedir socorro”, explica Fernanda.


O suicídio é um fantasma cada vez mais presente no Brasil. Números da OMS apresentam aumento na quantidade de suicídios de 1980, início da medição, até a última, em 2008. Se antes o índice era de 3,2 suicídios para cada 100 mil habitantes, atualmente está em 4,8. Um aumento de 50% em quase 3 décadas. Muito alto se comparado com o crescimento mundial, de 60% nos últimos 45 anos.

“A pessoa tem um problema e adia a resolução, preferindo apenas administrá-lo. O que é pequeno hoje vai ser grande amanhã. E um problema gera outro. Esse acúmulo faz a pessoa se sentir encurralada e aí uma das opções acaba sendo o suicídio”, lamenta o bispo Emerson Carlos. “Quem pensa que está acabando com os problemas, na verdade está apenas começando. Por isso, vamos sentar, vamos resolver para que nem passe pela cabeça da pessoa a hipótese de suicídio”, emenda.

Mônica Franco, de 25 anos, tentou o suicídio mais de uma vez. “Fui diagnosticada com transtorno bipolar, tinha síndrome do pânico, ficava 3 dias sem comer. Me trancava no quarto, não dormia, chorava e escrevia cartas com ideias suicidas”, relembra.

Cheia de problemas e perturbações, a moça percebia que havia algo errado, mas não sabia como lidar com toda aquela frustração. Certo dia, apontando uma faca para si mesma, pronta para tirar a própria vida, lembrou-se de Deus, desistiu da tentativa e pediu a Ele para lhe mostrar como sair daquela vida, pois ela não conseguia sozinha. Na mesma semana, decidiu ir à Universal, que ficava próxima de seu trabalho. Mônica afirma que aquele foi um momento de definição. “Tive meu encontro com Deus logo no primeiro dia e cheguei em casa feliz, falando para minha mãe que agora tinha razão para viver. Sabia que iria vencer.”

Já para Rioko Takashina o fim do sofrimento foi um processo mais lento. Ela também resolveu ir à Universal depois de entender que não queria se matar, queria, sim, uma nova vida. “Comecei a participar das reuniões, não foi fácil, aqueles sentimentos ruins lutavam dentro de mim. Mas fui persistindo e hoje estou livre”, conta.

O Bispo Júlio Freitas, habituado a atender pessoas que chegam à Universal sofrendo como Rioko, alerta: “Todos os outros problemas têm solução. Na realidade, só o suicídio não tem solução”.

Acabar com a vida é acabar também com a única oportunidade de resolver o problema. Somente enquanto estiver viva, a pessoa terá a chance de ser ajudada e experimentar uma nova forma de pensar e de viver. Novas possibilidades que a visão distorcida não lhe permitia enxergar.

Falar em suicídio não é apologia e sim prevenção

Profissionais que de alguma forma trabalham com o suicídio costumam ser mal interpretados, como se fizessem apologia. Estão na verdade, em busca de mais prevenção e maior conscientização. Nessa linha, existem grupos como o da psicóloga Fernanda Rezende, o “Vida e Morte”, que atendem pessoas que tentaram o suicídio.

“O suicida é uma pessoa adoecida. A ideia é tentar ajudá-lo a sair desse quadro mais depressivo, psicótico, e, gradativamente, fazer com que volte à sua rotina”, avisa a especialista. “O ato em si é muito agressivo, vai ser sempre uma cicatriz. Tanto para quem sobrevive a uma tentativa como para a família de quem tentou ou ficou.”

Engenheira agrônoma, Adriana Rizzo se interessou pelo tema e há 15 anos é voluntária do CVV. 

“É uma conversa mesmo, como se fosse com qualquer um que você conhece. A ideia é acolher essa pessoa, deixar que fale sobre o que quiser e à vontade”, conta. “Não interferimos ou damos opinião. Abrimos o espaço. Encaramos como um momento em que cada um pode esclarecer ideias, facilitar a organização das suas ideias para seguir
um caminho”.

Hiroshi escreveu, em sua carta de despedida: “Bom, pessoal, é isso. Nos últimos dias contei várias histórias e recuperei fotos de viagens porque queria relembrar bons momentos e dividi-los com os amigos. Mas o retorno para a realidade é mais difícil. Obrigado a todos pela audiência, pela presença e pela amizade. Se não deu, é porque a vida nos reservava outros planos. Parto para outra e não sei o que vou encontrar”. Iludido pela aparência de escape, entre a incerteza da vida e a incerteza da morte, o rapaz escolheu o caminho sem volta, sem retorno, sem solução. Tivesse esperado mais, buscado outros caminhos em vida, o que teria a perder? Porém, escolheu perder a possibilidade de descobrir uma nova vida. E quem aceitar o desafio de escolher a Vida, terá como recompensa a verdadeira paz
.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

“Fui abusada novamente”

Ele não me levou para casa, foi para uma mata, não tinha ninguém por perto...

Decidi contar para minha mãe, eu não iria aceitar isso na minha vida. Quando cheguei em casa, minha mãezinha não estava, meu pai a levou para o hospital, ela passou mau. Corri para lá, era perto de casa. Encontrei meu pai falando com o médico:

– Doutor, quando cheguei em casa, Alicia estava tremendo muito, parecia até uma convulsão, a febre estava muito alta e ela gritava de dores.

Como eu iria falar para minha mãe sobre o monstro estando ela nesse estado? Nem poderia falar para meu pai, a cabeça dele entraria em parafuso.

Fiquei calada e fui para o quarto do hospital cuidar da minha mãe. Ela estava magra, os olhos fundos, dava para ver os ossos de seu rosto. Ela pediu para tomar um banho, eu quis ajudar.

A enfermeira a colocou na cadeira de rodas e me deixou banhá-la. Minha mãe não conseguia ficar em pé. O braço dela estava tão fino, seu quadril, suas costas, eu podia contar os ossos. A pele parecia verde, já não tinha mais aqueles cabelos longos e cacheados como os meus, estavam muito ralos. Seus dentes pareciam maiores, seus lábios sumiram. O cheiro da minha mãe havia acabado, agora cheirava câncer. Ela mal conseguia falar.

Peguei um pano com sabonete e passei sobre a pele dela. Era sabonete de alfazema, minha mãe me olhou. Seu olhar continuava de mãe. Ela me perguntou:

– Meu amor, está tudo bem contigo?

Eu queria tanto gritar para ela tudo o que estava acontecendo, mas como faria isso? Ela é quem precisa de mim, eu não posso falar nada, ela não tem condições de me ajudar agora, eu é quem tenho que ajudá-la. Dentro de mim, gritava:

– Socorro, mãe, eu preciso da senhora!

domingo, 26 de maio de 2013

IURD discute drogas com jovens do CASA Guarulhos I



IURD discute drogas com jovens do CASA Guarulhos 

IURD discute drogas com jovens 

do CASA Guarulhos I

Durante visita de grupo 

de evangelizaçâo, também 

houve 

jogos amistosos de futsal 

na 

quadra do centro 

socioeducativo

iurd01Um grupo 
de voluntários em evangelização 
da Igreja Universal do Reino de 
Deus (IURD) ministrou palestra 
sobre drogas para os adolescentes internados no CASA Guarulhos I, 
em Guarulhos, na Região 
Metropolitana de São Paulo. 
Também participaram os familiares 
dos jovens.

A iniciativa ocorreu durante visita ao centro socioeducativo no domingo 
(31 de março). Na ocasião também houve jogos amistosos de futsal 
entre os adolescentes e os 
voluntários, além de uma confraternização com salgados e refrigerantes.

Na palestra, os jovens 
acompanharam os relatos dos voluntários que venceram a dependência química, conseguindo superar essa grande dificuldade com autodeterminação e apoio da comunidade. Eles também ouviram
 o relato de um adulto que cumpriu pena no sistema prisional e mudou 
de vida.

Para o coordenador pedagógico do CASA, Willian Lazaretti, a proposta 
foi importante e de impacto para os jovens. “Isso fortifica e mostra que a possibilidade de mudança é real”, declarou.

Lazaretti afirmou que as 
mensagens também deixaram os familiares esperançosos com a mudança de postura de seus filhos.
 “De alguma forma os jovens foram despertos, 
pois, no final, muitos deles 
conversaram com os voluntários, procurando saber mais detalhes 
sobre suas superações.”

Há cerca de cinco anos a IURD 
realiza evangelização no local, 
a cada seis meses, por meio do Programa de Assistência Religiosa (PAR), da Fundação CASA.

sábado, 25 de maio de 2013

IURD discute drogas com jovens do CASA Guarulhos I


                        CLIQUE NO LINK ABAIXO

http://www.fundacaocasa.sp.gov.br/index.php/noticias-home/2174-iurd-discute-drogas-com-jovens-do-casa-guarulhos-i

CLASSE MÉDIA NO CRIME: O QUE MAIS OS MOTIVA?




O envolvimento de indivíduos das classes média e média-alta em atos de delito está cada vez mais comum no Brasil, como têm provado as estatísticas. No entanto, para o coordenador do programa de pós-graduação em Direito da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), isso não deve ser encarado como motivo de alerta, já que é um grande erro associar determinada classe social como mais ou menos propensa ao crime. “Assim como a pobreza não faz de ninguém criminoso, ser da classe média também não faz de ninguém honesto. É muito mais comum encontrar um delinquente por conta da vontade própria e da necessidade de consumo. Tem gente que ainda acredita na inocente ideia de que bandido é morador de favela”, diz. Segundo o acadêmico, tudo indica que há prevalência de estímulos externos ao meio social, que acabam por favorecer a entrada do jovem de vida estável no crime. Dentre os mais comuns, cita ele, pode-se destacar a necessidade que esses indivíduos têm em ser o “centro das atenções”, uma vez que grande parte da imprensa brasileira transforma criminosos potenciais em celebridades marcantes e até invejadas. “A mídia tem o poder de transformar assassinos, traficantes, prostitutas e outros tantos mais em heróis nacionais”, explica. Bom exemplo de tal teoria é o caso do ‘famoso’ Maníaco do Parque. O assassino em série já distribuiu autógrafos pelas ruas do País feito artista de Hollywood. Bruna Surfistinha, ex-garota de programa, após publicar livro que conta sua trajetória “profissional”, passou a ser vista com frequência em programas de entrevista com um falso ar de intelectualidade estampado no rosto. Um chamariz e tanto para muitos jovens, dispostos a seguir os mesmos caminhos que a celebridade do sexo. Outra linha de raciocínio, defendida por profissionais da psicologia, sustenta que essa propensão ao crime seja um “traço de personalidade do indivíduo”, algo a ser discutido muito mais pela genética que por sociólogos. Os opositores de tal teoria se defendem e colocam a responsabilidade sobre os pais. “A família pode agir como dispositivo que aciona ou desarma a ambição criminosa do filho. Em alguns casos, pode até mesmo criá-la, mesmo que o indivíduo não tenha nenhuma propensão ao crime.”

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Almoço para as famílias dos internos da Fundação Casa na UNIVERSAL.



 Conforme já vem ocorrendo nos últimos meses, mais um almoço de confraternização ocorreu neste domingo, 28 de abril de 2013, com a presença de mães, pais, irmãos, todos reunidos num só espírito, em ajudar os jovens privados de liberdade, que estão na Fundação CASA, auxiliando-os a encontrarem no Senhor Jesus a solução para as dificuldades encontradas nesta situação difícil que todos, jovens e seus familiares estão atravessando.

 Inicialmente, o pastor Geraldo Vilhena, Coordenador de Evangelização em Unidades da Fundação CASA, orou pelos presentes, e orientou- os como vencer a guerra contra o mal, salientando a importância do batismo nas águas, onde é nesse momento que os jovens tem a oportunidade de assumirem a fé no Senhor Jesus através do trabalho evangelístico que os voluntários desenvolvem diariamente nas diversas Unidades da Fundação.



 Vários testemunhos também foram dados de voluntários que tiveram suas vidas mudadas quando entregaram suas vidas ao Senhor Jesus, motivando os familiares dos jovens a também fazerem o mesmo.


 Amauri ex-traficante fala como saiu do mundo do crime.


 Robson Freitas ex-usuário de drogas e do crime diz como entrou e saiu,



Cristina ex-traficante, ex-interna da Fundação Casa conta também a sua vida do crime.



Elza, uma mãe que está usando a fé para libertar o seu filho das drogas.

Nelma ex-usuária de drogas hoje doente em consequência do uso das drogas.

Lembrando, que estes voluntários fazem parte do Bloco de Ajuda aos Dependentes Químico.Este projeto é apresentado dentro das unidades da Fundação Casa de São Paulo. 


Após a palestra, o pastor Geraldo Vilhena e os voluntários realizaram uma oração da fé, para libertar as famílias dos internos do espírito do vício.



As mães, Sra. Maria Alexandrina Batista, 54anos, e a Sra. Amanda Alves, 26 anos, testemunham que depois que seus filhos passaram a frequentar as reuniões, a diferença no comportamento deles é notória, sendo observada não apenas pelos familiares, assim como até mesmo por aqueles que convivem com eles no dia a dia.


No final do evento, após um farto almoço, todos saíram muito satisfeitos e prometeram retornar no próximo dia 26 de maio, quando se realizará  mais um encontro,  muito abençoado.












Livros do bispo Macedo para as famílias dos internos.



Camisetas do Templo de Salomão.





Cesta básica.



Chaveiro com foto do Templo de Salomão.





Foi um almoço para  não ser esquecido.

Que o Senhor Jesus abençoe estas famílias.