domingo, 29 de abril de 2012

MINISTÉRIO DO AMOR ADVERTE


AS SENSAÇÕES FÍSICAS SUGEREM UM ATAQUE CARDÍACO E LEVAM MUITA GENTE A PROCURAR ATENDIMENTO DE URGÊNCIA NOS HOSPITAIS; O QUE POUCOS MÉDICOS SABEM, NO ENTANTO, É QUE PODE SE TRATAR DE UMA "SÍNDROME DO CORAÇÃO PARTIDO"


DORES NO PEITO, PROFUNDA ANGÚSTIA, SENSAÇÃO DE APERTO NO CORAÇÃO, falta de ar e calafrios. À primeira vista, qualquer um poderia associar tais sensações a um princípio de infarto. Mas não.  Esses sintomas são comuns também em pessoas que estão passando pelo processo de frustração amorosa, como o término de uma relação ou por não serem correspondidas pelo parceiro da forma como desejada. Insônia, cansaço e altos níveis de ansiedade também podem se somar a esse desagradável quadro a que os pesquisadores do Hospital John Hopkins, nos EUA, chamam de "Síndrome do Desgosto Amoroso".

AINDA DE ACORDO COM OS PESQUISADORES AMERICANOS, a síndrome pode se manifestar também na fase inicial de um relacionamento afetivo, mesmo quando está tudo indo bem e não há motivos para preocupação. "Quando as pessoas começam um relacionamento, geralmente elas ficam muito ansiosas, se preocupam demais em atender às expectativas do outro e estão permanentemente alertas, procurando avaliar se suas próprias expectativas também serão atendidas. Essa carga de estresse pode desencadear sintomas típicos da Síndrome do Desgosto Amoroso, com a diferença que, neste caso, ela é passageira", explicam os cientistas.

JÁ NOS CASOS EM QUE O ESTRESSE É PROVENIENTE DA DECEPÇÃO , os sintomas tendem a se prolongar e, não raro, pessoas mais sensíveis acabam precisando de tratamento à base de antidepressivos. Nestes casos, para que o coração continue saudável, os médicos aconselham a reagir contra a desilusão. Exercícios de respiração, relaxamento e meditação ajudam bastante, garantem. Outra dica importante é saber avaliar se a pessoal pela qual se está sofrendo não foi demasiadamente idealizada, ou então se o problema não é de grande incompatibilidade.

DE QUALQUER MODO, QUANDO A SÍNDROME DER SINAIS DE QUE NÃO QUER IR EMBORA, o melhor a fazer é desabafar com alguém de confiança. "Chore se for preciso, coloque tudo para fora!", aconselham os médicos. Mas se você é daquelas pessoas que não gostam de dividir seus problemas com outros, a recomendação é buscar ajuda terapêutica o quanto antes.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

AMOR INTERESSEIRO


CASAMENTOS ARRANJADOS, EM QUE O INTERESSE ESTÁ EXCLUSIVAMENTE NOS BENS DO CÔNJUGE, PODEM ATÉ LEMBRAR A ÉPOCA DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS, MAS CONTINUAM A SER PRÁTICA COMUM NOS DIAS DE HOJE


CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO, NO ENTANTO, GARANTE QUE O CASAMENTO SEJA ANULADO CASO SE COMPROVE QUE O PRETENDENTE SE PASSAVA POR "FALSO HERDEIRO"

No passado, reis, rainhas e demais castas nobres realizavam o casamento dos filhos baseados exclusivamente nos interesses de posse. Portanto, quanto mais dotes tivesse o pretendente, melhor, e maior a chance de o casamento "arranjado" dar certo. O amor... Pobre amor, não tinha vez.

Hoje, passados vários séculos, o casamento baseado no interesse de bens, apesar de não ser mais uma quase-lei social, continua a ser prática constante e, quando o suposto amor é visível e escandalosamente pretexto para o negócio, ele ganha a mídia, e também defensores e críticos ferozes desse tipo de união.

É o que aconteceu recentemente, por exemplo, no Rio Grande do Sul. A viúva Solange Terezinha, então com 48 anos de idade, se casou perante a Justiça com um doente que tinha então  92 anos. A saúde do "marido" estava totalmente debilitada devido a um câncer de esôfago. Os médicos que cuidavam dele disse à pretendente que restavam poucos dias de vida a seu futuro marido. Terezinha não se importou e, quatro meses após a união, o velho milionário morreu.

FALSO HERDEIRO

Também no Brasil, a agora no Nordeste, Francine Costa, de 19 anos, casou-se com um homem de 75, que dizia herdeiro de um rico usineiro da região. Para impressionar a jovem, o suposto milionário procurava impressioná-la com jantares caríssimos, presentes valiosos, como joias e roupas de grife. Mesmo assim, Francine desconfiava dos dotes do futuro marido, mas ele sempre rebatia a dúvida com histórias convincentes. Casaram-se poucos meses depois e, em menos de 60 dias, o conto de fadas desmoronou. Não havia usineiro rico, nem heranças, apenas uma farsa montada à custa de cheques sem fundos e cartões de crédito estourados. Fracine, então, pediu o cancelamento da união. E conseguiu.

ANULAÇÃO DO CASAMENTO

Segundo o Código Civil Brasileiro, o erro, ou a indução ao erro quanto à identidade do cônjuge, é motivo suficiente para anular a união. Esse "equívoco" pode acontecer, por exemplo, quando uma pessoa finge ser o que não é para induzir a outra ao casamento. Tal prática é caracterizada como "Crime de Falsidade Ideológica". Por meio desse artigo, Francine, pronta para dar o que ela imaginar ser o grande "golpe do baú", conseguiu anular o casamento com o falso usineiro.

Indenizada, a jovem partiu para outra, em busca de um novo e verdadeiro homem de posses. O que não ficou muito claro, no entanto, é quem o Código Civil Brasileiro amparou: se mentora  do golpe do baú, ou se o criminoso de falsificação ideológica.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

"AMOR DIGITAL"

"BRASILEIRO É O QUE MAIS PROCURA SEXO E NAMORO NA INTERNET E O QUE MAIS TRAI VIRTUALMENTE"



PESQUISA OUVIU 18 MIL HOMENS E MULHERES, COM IDADE ENTRE 18 E 64 ANOS, EM 18 PAÍSES DE TODOS OS CONTINENTES

Dentre 18 países analisados, em todos os continentes, o Brasil ficou em primeiro lugar no que diz respeito ao número de pessoas que buscam namoro ou sexo na Internet. O resultado é fruto de uma pesquisa realizada pela Global Market Insite (GMI) que analisou o comportamento de 18 mil homens e mulheres com idade entre 18 e 64 anos e que se relacionam virtualmente. Na lista dos países analisados estão alguns dos mais importantes, como Canadá, China, Austrália, Espanha, Estados Unidos, França, Inglaterra, Brasil e Japão.

PARA BRASILEIRO, TRAIÇÃO VIRTUAL É REAL

Os brasileiros, segundo a GMI, não são apenas os campeões em número dos que procuram por um amor na rede. Quase 30% deles querem exclusivamente sexo, seja real ou apenas virtual. Em segundo lugar estão os alemães (24%), seguidos dos mexicanos e indianos, empatados com 22%. Em último lugar aparecem os poloneses. Apenas 4% deles estão interessados em encontrar alguém na Web.

Quando questionados se a prática de manter relacionamento virtual é considerada traição, 56% dos brasileiros disseram que sim. Trinta e dois por cento assumiram que já traíram o parceiro desta forma, provando que, virtualmente, o brasileiro é o povo mais infiel do mundo. Em segundo lugar estão os malaios (29%).

ESPELHO, ESPELHO MEU: NA WEB, TODO MUNDO É PRÍNCIPE

Outro ponto curioso levantado pela GMI diz respeito ao comportamento ético do internauta brasileiro. Oitenta e oito por cento das pessoas ouvidas na pesquisa confessaram que se descrevem de modo fantasioso quando estão conhecendo alguém na internet. Quase 43% dos homens de olhos castanhos dizem ter olhos verdes ou azuis quando estão online. Com relação às mulheres, 92% disseram que mentem quando falam sobre o peso e cor de cabelo. Apenas 6% delas disseram jamais ter mentido ao se descrevem fisicamente para o parceiro virtual.

GOOGLE, FACEBOOK E YOUTUBE SÃO OS MAIS ACESSADOS NO PAÍS


Os sites mais acessados pelos internautas brasileiros são os buscadores, como o Google, e os portais de relacionamento, como o Facebool e os blogs. O site de vídeos YouTube vem logo depois. A grande novidade é o crescimento do número de acessos a sites de moda, decoração, viagens e gastronomia.

A assiduidade do internauta brasileiro já  faz também da língua portuguesa a sétima mais usada no mundo virtual, superando até mesmo o árabe, uma das línguas oficiais da Organização das Nações Unidas (ONU). O inglês é o idioma mais praticado na web, seguido do mandarim, falado na China, e do espanhol.       

terça-feira, 24 de abril de 2012

PRÍNCIPE ENCANTADO



METAS OPOSTAS: QUANDO VÃO A UM ENCONTRO, OBJETIVO DAS MULHERES É SE CASAR; ESSA, NO ENTANTO, É A PRETENSÃO DE APENAS 8% DOS HOMENS OUVIDOS PELOS PESQUISADORES DO LOVEHURTS



"QUASE 60% DELES, QUANDO ENCONTRAM ALGUÉM, ESTÃO PENSANDO EM SEXO", DIZEM OS PESQUISADORES INGLESES

O Instituto inglês Lovehurts de pesquisa sobre comportamento humano ouviu milhares de pessoas no mundo todo e em cada país chegou a conclusões bastante inesperadas sobre o que realmente desejam, no campo afetivo, homens e mulheres. Outras, no entanto, apenas confirmam o que, há anos, tem mostrado o senso comum: as mulheres adoram se casar, já os homens...

Apenas 8% do público masculino confessou aos pesquisadores que o maior interesse ao conhecer uma mulher é realmente o casamento. Eles querem mesmo é sexo. Essa é a meta de 58% deles. Com relação às mulheres, apenas 33% delas estão em busca de prazer sexual ao conhecer alguém, e 22% pensam em casamento logo no primeiro encontro. Uma minoria, 3%, disse não precisar de homem para absolutamente nada.

A pesquisa reforçou ainda a credibilidade do senso comum, ao informar que 85% dos homens ouvidos colocam em primeiro lugar a beleza física das mulheres. Apenas 3% deles disseram que, para levar uma relação adiante, o mais importante é conteúdo intelectual e o que elas têm a dizer. Para 23% delas, o caráter é o que mais importa. "A aparência física do homem é importante, mas não um fator decisivo", comprovou os estudos.

Com relação à idade do parceiro, 60% dos homens preferem mulheres mais novas, e 65% das mulheres, os homens mais velhos. Mulheres que saem à caça de garotões, portanto, representam apenas 35% do sexo feminino.

A predileção pela jovialidade masculina é minoria entre as mulheres de mais idade, mesmo assim, esse tipo de comportamento tem dado muito que falar, mesmo numa sociedade que prega a libertação e se sustenta no rótulo de "ser feliz a todo o custo".

segunda-feira, 23 de abril de 2012

“Sentia dores na alma”

Eu queria o dinheiro para gastar com meus desejos; o problema é que eu ganhava muito, mas vivia endividada. Nunca entendi isso: trabalhava tanto e não tinha nada. Fazia tudo o que me era pedido, eu era tudo e ao mesmo tempo não era nada. Eu oferecia tudo para eles e para elas, mas não tinha como receber nada em troca, a não ser o dinheiro, que muitas vezes pensava ser um dinheiro sujo. Mas pensava: "Ganhei sem roubar, então é meu".


Aquelas pessoas falavam coisas das quais até eu ficava envergonhada às vezes. São momentos em que a gente se sente como lixo, como um nada, sem nenhum valor, parece que toda sujeira está no nosso corpo. Eu não acredito que alguma mulher se prostitua porque quer, é porque não consegue sair dessa vida. Quem não quer ter uma família e ser amada pelos seus?


Quantas vezes temos que tomar calmante para dormir, tamanha a dor na alma. Conheci uma menina que estava grávida de 7 meses e fazia programas; já era mãe de três crianças, uma delas foi dada para a vizinha cuidar. Ela nem quis ver a menina. No hospital mesmo deu a criança para ser levada embora. Algumas já estavam no "ponto" há 5 anos e tinham uma clientela boa; mas se encontravam na mesma situação que eu: às vezes não tinham dinheiro nem para voltar para casa.


A gente procurava se cuidar, se prevenir, mas isso não impedia que muitas meninas morressem com doenças. Morria uma, às vezes duas, três em um mesmo mês. Mas a gente não consegue largar.


Muitas, mesmo grávidas, usam drogas para conseguir fazer os programas, senão o corpo não aguenta, a mente não suporta. Quem em sã consciência consegue sair com muitos homens e mulheres numa mesma noite se não estiver drogada?

domingo, 22 de abril de 2012

Guerra ao refrigerante

O cerco mundial ao consumo desse tipo de bebida está apenas começando. Lei na Califórnia exige uma redução em corante suspeito na fórmula ou a inserção no rótulo do aviso "contém substância cancerígena"

Além de engordar e provocar consequências conhecidas pelos obesos, os refrigerantes carregam hoje a suspeita de auxiliar no desenvolvimento de câncer, derrame e infarto. Por isso, o cerco começa a se fechar contra as bebidas gaseificadas. Em Nova York, nos Estados Unidos, uma campanha institucional choca ao escancarar os riscos de se consumir essas bebidas industrializadas. Na Califórnia, uma lei vai obrigar a mudança na fórmula dos refrigerantes de cola. E o Brasil caminha para começar o controle sobre os refrigerantes, que são consumidos diariamente por cerca de 28,9% da população.


Neste momento, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) está participando de uma pesquisa que envolve o mundo todo para a análise do "caramelo 4" de refrigerantes do mundo inteiro. Quem está coordenando é o Center for Science in the Public Interest (CSPI) ou, em português, Centro para a Ciência a Favor do Interesse Público. Trata-se de uma ONG americana sediada em Washington. "Ajudaremos fornecendo informações sobre o conteúdo dos refrigerantes no Brasil, tanto de marcas multinacionais como locais", explicou Fábio Gomes, nutricionista da área de Alimentação, Nutrição e Câncer do instituto.


O "caramelo 4’, citado por Gomes e chamado cientificamente de 4-metilimidazol (4-MEI), é justamente a substância que vai obrigar os fabricantes a mexer na fórmula de famosos refrigerantes de cola. Baseada em estudos da CSPI, a Califórnia limitou a quantidade de 4-MEI que os produtos vendidos no Estado americano podem conter sem que seja obrigado a inserir no rótulo a mensagem "contém substância cancerígena". Desta forma, as gigantes do mercado de refrigerantes norte-americano vão alterar a fórmula para todo o país.



"A maioria das pessoas pode interpretar o termo ‘corante caramelo’ como ‘colorido com caramelo’, mas este ingrediente específico tem pouco a ver com o caramelo comum ou o doce de caramelo. É uma mistura concentrada marrom-escura de substâncias químicas. O caramelo comum não é saudável, mas pelo menos não é tingido com substâncias carcinogênicas", alerta Michael Jacobson, diretor-executivo do CSPI, que solicitou a extinção completa da comercialização do produto ao órgão regulador de alimentos e remédios nos Estados Unidos, a FDA (Food and Drug Administration). "A Coca-Cola e a Pepsi, com a anuência da FDA, estão expondo desnecessariamente milhões de americanos a uma substância que causa câncer. Corantes cancerígenos não têm lugar em nossos alimentos, ainda mais se levarmos em conta que sua função é cosmética", critica Jacobson, sobre a substância ser usada apenas para escurecer o refrigerante


Diante da situação verificada nos Estados Unidos, a Proteste Associação de Consumidores já solicitou aos fabricantes e à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a substituição do "caramelo 4" por corantes mais seguros na formulação de refrigerantes vendidos no Brasil. O problema não se restringe ao 4-MEI presente nos refrigerantes de cola, porque essa não é a única substância nociva encontrada nesse tipo de bebida.


A mesma Proteste analisou em 2009 a higiene e a qualidade nutricional de 24 amostras de refrigerantes diet e light e suas versões tradicionais. A conclusão da associação foi clara: "Crianças não devem tomar refrigerantes, pois eles só oferecem açúcar e quase nenhum nutriente. Assim, as crianças que tomam refrigerantes terão maior propensão ao ganho de peso e à obesidade infantil". No mesmo teste, além do açúcar e de corantes impróprios, em sete refrigerantes foi encontrado benzeno, outra substância cancerígena. O resultado foi encaminhado à Anvisa e ao Ministério da Agricultura e, no ano passado, foi assinado um Termo de Ajustamento de Conduta com os fabricantes depois de o Ministério Público Federal (MPF) instaurar inquérito civil público para apurar o caso. O prazo para que alguma mudança aconteça em relação aos refrigerantes que têm benzeno é de até 5 anos. As amostras onde foram verificadas a presença de benzeno são: Dolly Guaraná (tradicional e light), Fanta Laranja (tradicional e light), Sukita (tradicional e zero) e Sprite (zero), sendo que a presença de benzeno foi muito alta em amostras de Sukita zero e de Fanta light.


Apesar de não haver uma relação direta com a doença, 4-MEI e benzeno têm alto potencial cancerígeno – sendo que o benzeno está relacionado especialmente a dois cânceres: leucemia e linfoma. Além das duas substâncias citadas acima, há outros problemas na composição dos refrigerantes. Sem especificar as causas, um estudo publicado em fevereiro no "Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention" relacionou o consumo de dois ou mais refrigerantes por semana ao aumento do risco do câncer de pâncreas em 87%, se comparado com indivíduos que não consumiram a bebida.


Além do câncer, um estudo feito pela Universidade de Miami (EUA) e divulgado em fevereiro concluiu que os refrigerantes diet sugerem um aumento no risco de infarto e derrame cerebral: após pesquisar os hábitos alimentares de 2.564 adultos com idade média de 69 anos, foi verificada que a incidência de doenças coronárias entre aqueles que consumiam refrigerante diariamente era 44% maior do que os que não tomaram. O quadro preocupa no Brasil porque, além dos 29,8% que consomem a bebida diariamente, segundo revelou o Ministério da Saúde no início deste mês, há os que não consomem a bebida com frequência e ajudam a compor outro número assustador: 48,5% da população estão acima do peso.



"O Inca não recomenda beber refrigerante, principalmente pela questão do açúcar e do adoçante. Não existe nada que justifique tomar refrigerante. Não contribui em nada e pode atrapalhar em vários aspectos. Há outro componente também muito nocivo, o fosfato, resultado do processo de gaseificação do refrigerante, que tem fatores antinutricionais. Quando você está consumindo sua refeição – salada, feijão, carne –, os nutrientes, principalmente vitaminas e minerais, têm sua absorção dificultada por esse aspecto do refrigerante", observa Gomes, que lembrou ainda da existência de vários projetos de lei em tramitação para tentar, de alguma forma, regular ou oferecer mecanismo de regulação na publicidade de alimentos, especialmente as voltadas para as crianças. O Código de Defesa do Consumidor também já estabelece que os produtos colocados à venda não podem trazer riscos à saúde ou à segurança dos consumidores. Assim, a tendência de cerco à fabricação e à venda de refrigerantes deve começar, como aconteceu com o cigarro.


"A mudança de hábito passa por uma construção que leva tempo mesmo. Há 50 anos, os médicos diziam aos pacientes que não faria mal se fumassem apenas três cigarros por dia. Hoje isso é praticamente inconcebível. Houve milhares de estudos e ainda assim não foram suficientes para diminuir o tabagismo. É preciso pensar em políticas públicas que possam favorecer hábitos mais saudáveis. No tabagismo, temos seguido esses passos. Temos dado condições para quem quer parar de fumar. Temos também de dar condições para quem quer comer melhor, com menos sanduíches e menos refrigerantes" , afirma Gomes, citando um processo que já começou com força nos Estados Unidos, especialmente na campanha feita em Nova York, onde um cartaz espalhado pela cidade transforma o líquido da bebida em gordura e um vídeo com uma pessoa consumindo 16 sachês de açúcar enquanto almoça. Isso para escancarar o que significa para o corpo a ingestão de uma garrafa de 600 ml de refrigerante.



Perigo de câncer também em alimentos


O risco de desenvolver câncer em razão da ingestão não se resume aos refrigerantes. A substância 4-MEI, que assusta os consumidores de refrigerantes de cola, também está presente em cervejas, achocolatados, doces de confeitaria, molhos curry e vinagre, além de salsichas, sopas e sucos industrializados. Ou seja, o consumo regular desses alimentos por um longo período de tempo também pode contribuir para o desenvolvimento de alguns tipos de câncer.
No entanto, assim como ocorre com os refrigerantes, o 4-MEI não é o único vilão. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), os tipos da doença que se relacionam aos hábitos alimentares estão entre as seis primeiras causas de mortalidade por essa doença. Alimentos ricos em gorduras, como carnes vermelhas, frituras, molhos com maionese, leite integral e derivados, bacon, presuntos, linguiças e mortadelas "parecem fornecer o tipo de ambiente que uma célula cancerosa necessita". O Inca ainda alerta para agentes cancerígenos presentes, por exemplo, em nitritos e nitratos usados para conservar alimentos embutidos, além de alertar para o risco presente em defumados e churrascos impregnados pelo alcatrão proveniente da fumaça do carvão, ou para a atenção que deve ser dada à quantidade de sódio em alimentos preservado em sal, como carne carne de sol, charque e peixes salgados.


Além dos alimentos em si, o Inca também orienta o consumidor sobre o preparo do alimento – que pode ou não contribuir com o desenvolvimento do câncer. Usar menos sal e aumentar a quantidade de temperos como azeite, salsa, alho e cebola diminuem o risco de câncer, assim como optar por métodos de cozimento que usam baixas temperaturas ao invés de fritar os alimentos.


A má alimentação contribui também para o aumento de peso. E pessoas obesas têm mais chance de sofrer com doenças cardiovasculares, como infarto, trombose, embolia e arteriosclerose, além de asma, apneia do sono, distúrbios psicológicos e ainda problemas ortopédicos.

sábado, 21 de abril de 2012

CONSAGRAÇÃO DE PASTORES EM 1991 NO BRAS (VEJA)

video

IURD poupa milhões ao Governo. Ex-Traficante de DROGAS se converte na Igreja Universal do Reino de Deus.


Meu nome é Amauri, tenho 36 anos, Iniciei no mundo das drogas aos 11 anos, provei todos os tipo de drogas, quando me vi sem recursos para usar as drogas, comecei no mundo do tráfico de armas e munição. Permaneci envolvido no crime por 10 anos, contratava meninos de 11 anos aqueles que eram ágeis e ligeiros

Era pego para trabalhar no tráfico o processo e igual até hoje, eu não tinha nenhum sentimento mesmo colando os meninos na frente da batalha. As mães hoje, nem sequer tem o direito de enterar seus filhos, eles eliminam e somem com o corpo esquartejam e queimam. Tive vários amigos , que já morreram nas mãos dos traficantes. As drogas é um espírito maligno que fica por detrás atuando na vida, daqueles que não tem um encontro com Deus,

Fazendo que você faça coisas horríveis para que seus sonhos sejam esquecidos ou até perdidos. Hoje sou liberto, e transformado, hoje faço ao contrario levo aos jovens uma palavra de libertação, é pode ter certeza que o único caminho é o Senhor Jesus não tem meio termo.

PERGUNTAS

O que você fez para se libertar das drogas?

Quais são as maiores armadilhas para um usuário de drogas?

Qual a cena que marcou quando você estava na vida do crime?

Qual foi a maior dificuldade quando você abandonou as drogas?

Qual foi sua motivação para sair do mundo do crime?



BRASIL É O SEGUNDO MAIOR CONSUMIDOR DE CRACK, COM 1,2 MILHÃO DE DEPENDENTES; NO MUNDO TODO, ELES SÃO MAIS DE 200 MILHÕES



PAÍS GASTA MENOS DE 0,5% DO PIB PARA TRATÁ-LOS; EUROPEUS E AMERICANOS RESERVAM ATÉ 1,3% DE SEU PIB PARA O MESMO FIM

Atualmente existem mais de 200 milhões de viciados em algum tipo de droga ilícita no mundo. Só no Brasil, os dependentes do crack somam mais de 1,2 milhão de pessoas, número que coloca o país no segundo lugar no ranking mundial. Se somados os viciados em cocaína e maconha, a população brasileira de dependentes químicos pode triplicar, chegando a quase 4 milhões. No País, a idade média para o início do consumo do crack é de 13 anos. A média mundial é de 15,3 anos Os dados são do Escritório da ONU sobre Drogas e Crime (UNODC).

BRASIL É ADVERTIDO PELA ONU

Ainda de acordo com o UNDOC, a vice-liderança brasileira no número de dependentes químicos se deve principalmente aos investimentos abaixo da média mundial no combate às drogas. Enquanto a maioria dos países destina entre 0,5% e 1,3% do PIB no combate e tratamento ao uso de entorpecentes - número ainda considerado insuficiente pela ONU, o Brasil destina apenas 0,2% de seu PIB para o mesmo fim. Essa política de combate e prevenção adotada pelo País tem sido motivos de seguidas advertências por parte da ONU, que exige que o Brasil se enquadre na média mundial. O País se comprometeu a ajustar os investimentos, mas até o momento a promessa continua no papel.

GRAVIDEZ E DEPENDÊNCIA

Entre as grávidas brasileiras, cerca de 10% usam com frequência ou já experimentaram o crack durante a gestação, índice muito superior ao verificado em outros paises. Na década passada elas eram apenas 5%; um aumento de 100% em apenas dez anos.

RISCOS

Segundo a medicina, os recém-nascidos que foram expostos ao crack ainda na barriga da mãe apresentam logo nas primeiras 48 horas de vida alterações neurológicas e comportamentais provocadas pela exposição prolongada à droga. "Mas essas crianças não são viciadas e os danos podem ser minimizados", afirmam os médicos. Atualmente, só em Porto Alegre, por exemplo, mais de 150 bebês de mães viciadas na droga recebem assistência no Hospital Presidente Vargas.

JUVENTUDE CENSURADA



SURGIMENTO DE LEIS DE TODA ESPÉCIE, CADA VEZ MAIS DURAS E POLITICAMENTE CORRETAS, SÃO, SEGUNDO ESPECIALISTAS, UMA TÁTICA USADA PELOS ESTADOS QUE PREFEREM PUNIR A CONSCIENTIZAR A POPULAÇÃO



Nos últimos anos o Brasil vem assistindo à disseminação constante de novas e severas leis de âmbito nacional, o que tem aumentado consideravelmente o controle do Estado sobre a população, principalmente entre os mais jovens. Mas se para alguns tais medidas ameaçam a liberdade individual, para outros garantem a proteção coletiva.

"BOA PARTE [DA POPULAÇÃO] NÃO RESPEITA

OS LIMITES IMPOSTOS PELO BOM SENSO"

(Olavo de Carvalho, filósofo, sociólogo e jornalista)

Segundo os sociólogos, a proibição acaba sendo o modo mais efetivo de organizar uma sociedade carente de educação sólida e de senso de coletividade. "É sabido que a população brasileira conhece muito pouco sobre seus direitos e obrigações, já que grande parte dela não respeita os limites impostos pelo bom senso", diz o filósofo, sociólogo e jornalista Olavo de Carvalho. Desta forma, o surgimento de leis cada vez mais severas e polêmicas, bem como o aumento da vigilância de muitas famílias sobre os filhos, acabam sendo o reflexo daquilo que os brasileiros fizeram no passado e continuam a fazer no presente.


"A POPULAÇÃO BRASILEIRA CONHEÇE MUITO POUCO DE SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES"

(Olavo de Carvalho, filósofo, sociólogo e jornalista)


Uma das leis mais polêmicas, a 577/2008, idealizada pelo então governador de São Paulo José Serra, proíbe o consumo de tabaco e seus derivados em todos os locais fechados do Estado, públicos ou privados. Rio de Janeiro, Santa Catarina e Paraná são apenas alguns dos que também adotaram posteriormente a medida. Há indícios de que a Lei Antifumo alcançará âmbito nacional. Apesar da rigidez imposta, pesquisas mostram que mais de 80% dos fumantes se mostraram favoráveis à restrição.


"OITENTA POR CENTO DOS FUMANTES

SÃO FAVORÁVEISÀ LEI ANTIFUMO"


Pouco tempo antes do surgimento da Lei Antifumo, a Lei Seca também deu o que falar. Em vigor desde junho de 2008, determina punição a quem dirigir sob qualquer dosagem de álcool no sangue. Desta forma, um simples enxágue de boca feito com produtos à base de álcool já se torna motivo suficiente para punir o motorista. O mesmo acontece com quem degustar um bombom de licor e se sentar ao volante. A lei surgiu como tentativa de inibir os inúmeros prejuízos aos cofres públicos relacionados a acidentes de trânsito envolvendo motoristas embriagados, principalmente entre a população na faixa de 20 a 35 anos, responsável por cerca de 75% dos acidentes automotivos motivados pelo consumo de álcoo.

"PARA O ESTADO, ENCURTAR AS RÉDEAS

DO POVO SAI MUITO MAIS BARATO DO QUE EDUCÁ-LO"


Enfim, leis como a antifumo, a lei seca, os toques de recolher e outras mais ousadas e menos necessárias (a exemplo da regulamentação do tamanho do colarinho dos chopes paulistas e tantas outras) são, para muitos, uma maneira eficaz, rápida e barata de o Estado "encurtar as rédias do povo", pois suprir o déficite de conscientização e responsabilidade dos brasileiros são tarefas que despendem muito mais dedicação, boa vontade e, logicamente, investimentos.


sexta-feira, 20 de abril de 2012

MÉDICOS VICIADOS E ESTRESSADOS


A CADA TRIMESTRE, MAIS DE 300 MÉDICOS PROCURAM AJUDA PARA TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NAS CLÍNICAS DA UNIFESP



SEGUNDO O CREMESP, USO DE ENTORPECENTES NA CLASSE MÉDICA ATINGE NÍVEIS SEMELHANTES AOS DO RESTANTE DA POPULAÇÃO


Somente na capital paulista, cerca de 100 médicos assumem o papel de pacientes na Unidade de Álcool e Drogas da Universidade de São Paulo (Unifesp) para o tratamento da dependência química. Esse número, segundo pesquisadores, comprova que o diploma em medicina, em vez de proteger os profissionais da saúde, retarda o reconhecimento da dependência, o pedido de socorro e o início do tratamento.

"NÃO SOMOS SEMIDEUSES"

(Mauro Aranha, vice-presidente do Cremesp, justificando a incidência de médicos nos mundo das drogas)

O Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), em parceria com a Unifesp, depois de analisar os casos de médicos que chegam até a unidade para tratar o vício chegaram a conclusão de que, entre os profissionais da saúde, a incidência de uso de entorpecentes é praticamente a mesma verificada entre o restante da população.

"AS PESSOAS PRECISAM PERDOAR OS MÉDICOSELES TAMBÉM FICAM DOENTES"

(Idem)


Quando questionado sobre a estatística - a cada trimestre mais de 300 médicos e residentes são atendidos na clínica de recuperação da Unifesp -, o vice-presidente do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), Mauro Aranha, é categórico: "Não somos semideuses. As pessoas precisam perdoar os médicos, eles também ficam doentes. O caso de Sócrates, ex-jogador e líder do Corinthians, é um exemplo disso".


ÁLCOOL, MACONHA E CRACK


As substâncias mais consumidas por médicos e residentes, segunda a Unifesp, são o álcool e a maconha. Dos 308 profissionais médicos com idade média de 35 anos e em tratamento por dependência, 48,2% são dependentes do álcool e 17,8%, da maconha. Os benzodiazepínicos e os opiáceos somam 24% entre as drogas mais consumidas pela classe médica. Crack, cocaína, anfetaminas e inalantes pontuaram, juntos, 8,5% entre as drogas mais usadas.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Algumas pessoas falam que são o lixo da sociedade.(VEJA)


CLIQUE NO LINK ABAIXO
http://busca.uol.com.br/imagem/?ad=on&q=pastor+geraldo+vilhena&start=0&ie=iso

É tempo de mudar o foco

Pouco conhecida, mas muito comum nos dias de hoje, a Síndrome da Visão de Computador é responsável por dores de cabeça, vista embaçada e outros danos à saúde ocular


As horas ininterruptas em frente ao computador ou à televisão podem provocar muitos problemas quando o assunto é a saúde dos olhos. Ressecamento, ardor, visão borrada, dificuldade para focalizar imagens, dor de cabeça, tremores nos músculos ao redor dos olhos e fotofobia (sensibilidade ou aversão a qualquer tipo de luz) são sinais da Síndrome da Visão de Computador, distúrbio provocado pela exposição prolongada a monitores de computador e televisão.


A oftalmologista Roberta Lilian Fernandes de Sousa, do Departamento de Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Universidade Estadual Paulista (Unesp), afirma que o computador não é o causador da síndrome. Ele apenas a desencadeia em pessoas que já têm alguma alteração ocular devido ao extremo esforço visual necessário para a focalização das imagens durante o uso do aparelho.


"Muitas vezes estes pacientes precisam usar óculos de baixo grau e não usam. Isso acaba dificultando a focalização das imagens e colaborando para o desenvolvimento dos sintomas durante o uso do computador", destaca. "Em outros casos, os pacientes podem apresentar sintomas de olho seco, que surgem devido à diminuição do ato de piscar durante o uso deste aparelho, o que altera a lubrificação ocular normal", completa a médica.


O tratamento indicado pelos profissionais envolve tanto o uso de colírios e óculos quanto a adoção de medidas que minimizam os sintomas da síndrome. "Colírios lubrificantes devem ser usados enquanto fazemos o uso prolongado do computador. Eles aliviarão as queixas de olho ressecado e o ardor ocular", explica Roberta. Já o uso de óculos se faz necessário no alívio às dores de cabeça e turvação visual, segundo ela.


Além disso, é essencial que haja iluminação adequada, posicionamento correto da tela do computador e postura ao se sentar para trabalhar ou usar o computador em casa. A oftalmologista também ressalta que o descanso é fundamental.


"É preciso descansar de 5 a 10 minutos a cada 1 hora de trabalho e olhar para pontos distantes, para relaxar a musculatura ocular. Praticar exercícios de relaxamento e alongamento do pescoço e costas também amenizam os problemas", afirma a especialista.

terça-feira, 17 de abril de 2012

EPIDEMIA DE CRACK NO BRASIL



BRASIL É O SEGUNDO MAIOR CONSUMIDOR DE CRACK, COM 1,2 MILHÃO DE DEPENDENTES; NO MUNDO TODO, ELES SÃO MAIS DE 200 MILHÕES



PAÍS GASTA MENOS DE 0,5% DO PIB PARA TRATÁ-LOS; EUROPEUS E AMERICANOS RESERVAM ATÉ 1,3% DE SEU PIB PARA O MESMO FIM

Atualmente existem mais de 200 milhões de viciados em algum tipo de droga ilícita no mundo. Só no Brasil, os dependentes do crack somam mais de 1,2 milhão de pessoas, número que coloca o país no segundo lugar no ranking mundial. Se somados os viciados em cocaína e maconha, a população brasileira de dependentes químicos pode triplicar, chegando a quase 4 milhões. No País, a idade média para o início do consumo do crack é de 13 anos. A média mundial é de 15,3 anos Os dados são do Escritório da ONU sobre Drogas e Crime (UNODC).

BRASIL É ADVERTIDO PELA ONU

Ainda de acordo com o UNDOC, a vice-liderança brasileira no número de dependentes químicos se deve principalmente aos investimentos abaixo da média mundial no combate às drogas. Enquanto a maioria dos países destina entre 0,5% e 1,3% do PIB no combate e tratamento ao uso de entorpecentes - número ainda considerado insuficiente pela ONU, o Brasil destina apenas 0,2% de seu PIB para o mesmo fim. Essa política de combate e prevenção adotada pelo País tem sido motivos de seguidas advertências por parte da ONU, que exige que o Brasil se enquadre na média mundial. O País se comprometeu a ajustar os investimentos, mas até o momento a promessa continua no papel.

GRAVIDEZ E DEPENDÊNCIA

Entre as grávidas brasileiras, cerca de 10% usam com frequência ou já experimentaram o crack durante a gestação, índice muito superior ao verificado em outros paises. Na década passada elas eram apenas 5%; um aumento de 100% em apenas dez anos.

RISCOS

Segundo a medicina, os recém-nascidos que foram expostos ao crack ainda na barriga da mãe apresentam logo nas primeiras 48 horas de vida alterações neurológicas e comportamentais provocadas pela exposição prolongada à droga. "Mas essas crianças não são viciadas e os danos podem ser minimizados", afirmam os médicos. Atualmente, só em Porto Alegre, por exemplo, mais de 150 bebês de mães viciadas na droga recebem assistência no Hospital Presidente Vargas.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Cigarro, do glamour à maldição

Já foi chique tragar. Em 25 anos, o fumo virou vilão da saúde. Brasil proíbe cigarro com sabor. Na Austrália, nem a marca pode aparecer no maço

Considerado durante anos símbolo da elegância e do glamour, o cigarro virou nas últimas duas décadas um dos maiores inimigos da saúde pública mundial. Medidas para restringir seu uso, divulgação e comercialização se multiplicaram em muitos países, na tentativa de frear o responsável por uma das principais causas de morte evitável do planeta. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou por unanimidade, no mês passado, a resolução que proíbe o uso de aditivos que dão sabor a produtos derivados de tabaco, como mentol, chocolate e cravo. Essa é a medida mais recente tomada pelas autoridades do País na luta contra o fumo. Se antes a indústria tabagista conseguia, numa incrível manobra de construção de imagem, associar o cigarro à sedução e ao poder, hoje a sociedade civil, profissionais da saúde e poder público unem forças para controlar e reduzir a epidemia do tabagismo.


Pelo menos um bilhão de pessoas ainda devem morrer por uso e exposição ao fumo até o final deste século, de acordo com o relatório da Fundação Mundial do Pulmão e da Sociedade Americana do Câncer. O número equivale a uma morte a cada 6 segundos. Apesar de todas as medidas restritivas tomadas no mundo, na última década as mortes pelo uso de tabaco triplicaram, chegando a 50 milhões. Somente em 2011, 6 milhões de pessoas morreram, sendo 80% delas em países pobres e em desenvolvimento. De acordo com a fundação, o cigarro e outros derivados de tabaco são responsáveis por 15% das mortes de homens em todo o mundo e 7% entre as mulheres.


Ricardo Henrique Meirelles, pneumologista da Divisão de Controle de Tabagismo do Instituto Nacional do Câncer (Inca), explica que só será possível medir os resultados positivos das leis antifumo daqui a alguns anos. "Grande parte das doenças do tabagismo é de longa duração. Demora um tempo para o viciado adoecer. São doenças de evolução lenta. O que podemos perceber de imediato é que a restrição do fumo reduziu a incidência de doenças cardiovasculares", diz. Hoje o Brasil tem cerca de 25 milhões de fumantes. Meirelles destaca que, em alguns anos, esse alto número de tabagistas ainda deve impactar negativamente nos índices de adoecimento e morte.


O administrador Rui Almeida, de 62 anos, fumante desde os 14, conseguiu deixar o vício há 4 anos. Ele lembra que há poucos anos, o cigarro era socialmente bem aceito nos lugares onde frequentava. "Eu fumava em todos os lugares. No supermercado, no banco e até no ônibus. Ninguém reclamava. Fumar era bonito, transmitia responsabilidade", recorda. A médica Maria Vera Cruz de Oliveira Castellano, coordenadora da Comissão de Tabagismo da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia, diz que o tabaco não era visto como veneno há 30 anos e sim como estilo de vida. Segundo ela, a recente proibição do cigarro aromatizado é uma grande vitória na luta contra o fumo. "O cigarro com sabor era a porta de entrada dos jovens para o vício. O fumo tem gosto desagradável para o iniciante. Com aromatizadores, o jovem era conquistado." Uma pesquisa recente feita no Brasil em parceria om a Organização Mundial de Saúde (OMS) mostrou que o cigarro com sabor é o preferido entre adolescentes de 13 capitais. Os jovens que escolhem esse tipo de produto fumam mais e com maior frequência que aqueles que escolhem cigarros sem aditivos. O estudo foi feito com 17.127 estudantes de 13 a 15 anos. "Um aspecto traiçoeiro da dependência é que quando você fala a um jovem que daqui a 30 anos ele ficará doente, aquilo não o atinge. É distante", diz ela.


O estudante, Emanuel Ferreira, de 20 anos, começou a fumar há 3 anos. Filho de pais fumantes, ele é de uma geração que não se recorda dos tempos em que o cigarro era liberado. "Para mim é impossível pensar que era permitido fumar dentro de avião. É estranho", conta. O pneumologista Ricardo Meirelles ressalta que a única vacina eficiente contra o cigarro é a prevenção. "Temos que continuar a fazer campanhas nas escolas e a reduzir a propaganda." O Brasil é um dos signatários da Convenção-Quadro para Controle do Tabaco, em vigor desde 2005, que prevê esforços contra o tabagismo no mundo. A sanção da presidente Dilma Rousseff, no final do ano passado, à lei que proíbe o fumo em locais coletivos fechados, acabando com os fumódromos, foi considerada pela OMS como um grande avanço.



Como a indústria enganou as pessoas


Até a metade do século passado não havia nenhum tipo de regulamentação para a propaganda de cigarro. De olho no crescente público, a indústria tabagista usava as mais diferentes formas para explorar os supostos "benefícios" do fumo. Parece incrível dizer isso hoje, mas muitas propagandas exibiam médicos e dentistas recomendando uma marca de cigarro. Até crianças eram usadas em anúncios, mostrando o valor familiar que o cigarro trazia e lembrando como "fumar é bom".


Além disso, a indústria tabagista era patrocinadora de eventos esportivos e artísticos, aliando à imagem do cigarro pessoas de sucesso, como atletas e estrelas do cinema, como Eva Garbo, John Wayne, Fred Astaire, Humphrey Bogart e Frank Sinatra. Pesquisadores da Universidade de Stanford, nos EUA, reuniram várias peças publicitárias de época e organizaram um acervo que percorreu o mundo, mostrando o paradoxo dos anúncios tabagistas.


"Eu estou enviando Chesterfields para todos os meus amigos. Não há melhor Natal que um fumante possa ter", "Minha garganta está a salvo com Craven A. Você pode acreditar na suavidade e qualidade" e "20.679 médicos dizem que Lucky Strike não irrita a garganta" são alguns dos exemplos de mensagens usadas nos anúncios de cigarro. Segundo médicos da Stanford, a indústria fazia relatórios médicos pseudocientíficos e estudos sobre efeitos "benéficos" do cigarro, e usava dados manipulados nos anúncios como se fossem verdades. A propaganda do fumo é proibida no Brasil desde 2000, exceto em pontos de venda de cigarro. Ela é permitida através de pôsteres, painéis e cartazes, além da própria embalagem, hoje considerada o principal veículo de comunicação da indústria. Recentemente a Austrália aprovou a primeira lei do mundo que proíbe as fábricas de cigarro de colocar seus logos nas embalagens. No Brasil, a propaganda não pode estar associada a esportes, nem sugerir o consumo em práticas perigosas. Crianças não podem participar de nenhum anúncio. E é obrigatória a inserção de imagens e frases de advertência em embalagens e anúncios.


Todos contra o fumo


Conheça as ações de alguns dos 192 países signatários da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco, da OMS, e veja o que está sendo feito contra o cigarro em todo o mundo

domingo, 15 de abril de 2012

Exagero nada infantil


Para que o filho seja o mais forte, o mais belo ou o mais inteligente do mundo, pais ultrapassam todos os limites e colocam a saúde física e psíquica das crianças em risco

O ser humano nasce puro, mas os adultos já começam a estragar as crianças impondo desejos, forma de pensar e ideias. Os pais querem impor seu ideal e atropelam o desenvolvimento natural. Na infância, as crianças têm de brincar, sonhar, fantasiar e viver o mundo delas", analisa a psicopedagoga e psicanalista Edna Priolli, estarrecida diante da pressão absurda praticada por alguns pais, que para criar o filho mais belo ou o mais forte do planeta praticam aberrações mundo afora.


Os irmãos romenos Giuliano Stroe e Claudiu Stroe são exemplos de uma criação obsessiva. No caso deles, o pai, Iulian Stroe, ensina exaustivamente o ofício de levantar pesos desde que ambos eram bebês. Giuliano é o mais velho e, aos 5 anos, entrou para o Livro dos Recordes como a criança mais forte do mundo. Imagens de alguns treinos do garoto, que hoje tem 7 anos, estão disponíveis na internet e mostram o esforço que ele faz em cada atividade para poder exibir um corpo com os músculos bem definidos –imagem um tanto assustadora. O irmão caçula, 2 anos mais novo, segue os mesmos passos e também já exibe uma massa muscular invejável para muito marmanjo fã de academia. Mas esse tipo de atividade representa um enorme risco para a saúde dos dois no futuro.


"Não é recomendável que criança na pré-puberdade levante peso e ganhe massa muscular por uma questão hormonal. A criança não tem testosterona para fazer o crescimento muscular, não responde adequadamente e a musculação pode colocar em risco articulações, ligamentos, ossos, além de sobrecarregar o coração e causar alteração na pressão arterial", afirma o médico e fisiologista do Clube Pinheiros, de São Paulo, Paulo Zogaib. Para ele, não há uma idade ideal para a criança iniciar a prática esportiva, desde que a modalidade e as regras se adaptem a ela. "Fazer o gesto do arremesso ou do arranco, movimentos do levantamento do peso, pode ser interessante, mas não com peso: pegue um bastão de madeira, sem peso, e simule o movimento. Isso irá trabalhar a coordenação motora. Pode ser também futebol com bola pequena, vôlei com bexiga e tênis com raquete menor", orienta.


No entanto, a dica do especialista é exatamente oposta ao verificado no caso das irmãs ucranianas Varya e Barbara Akulova. O pai delas, Yuriy Akulov, foi um profissional do circo e também se dedica a fazer de suas filhas as mais fortes do mundo. Mas o ucraniano usa métodos ainda mais radicais. Enquanto na família Stroe os exercícios começaram aos 2 anos de idade, as filhas de Yuriy já levantavam pequenos sacos de arroz desde que começaram a engatinhar, segundo declaração do próprio pai ao "Discovery Channel".



A filha mais velha, Varya, que hoje tem 20 anos, também entrou para o Livro dos Recordes, na adolescência. Aos 14 anos e com 40 quilos, ela levantava o equivalente a 400 kg, o equivalente a 10 vezes seu peso. A irmã Barbara, atualmente com 12 anos, segue seus passos, e o futuro de ambas, segundo o pai, é competir no levantamento de peso. "Eu criei as minhas filhas com um propósito e esse objetivo foi traçado desde que nasceram. Minhas filhas têm objetivo na vida e concordam com isso", afirma Yuriy.


Dar um objetivo à vida e traçar metas e desafios para os filhos, como forma de supostamente contribuir na educação, também têm levado pais a situações bizarras, como a vivenciada pelo chinês He Liesheng. Durante as férias, no último mês de fevereiro, em Nova York (EUA), o empresário fez questão de deixar o filho Ho Yide, de apenas 4 anos de idade, só de cueca na rua, enquanto nevava a uma temperatura de 13 graus negativos. Nem quando o garoto foi às lágrimas e pediu um abraço, o pai cedeu. "Eu ajudo o meu filho forçando-o a desafiar limitações e superar as suas próprias expectativas. Isso foi só um presente de Ano Novo", explicou Liesheng, brincando, depois de ser questionado pelo jornal "China Daily". O pai disse que desde que Yide nasceu faz natação, caminhada e corrida, com horários rígidos. Liesheng criou tais exercícios para "fortalecer o filho", que nasceu prematuro.


O caso repercutiu negativamente na imprensa mundial e fez lembrar os métodos de Amy Chua, norte-americana descendente de chineses, autora do livro "Grito de Guerra da Mãe Tigre", em português. A publicação que já é vendida no Brasil indica que para disciplinar as crianças é permitido chamar seu filho de lixo, exigir apenas notas 10 no boletim e vitórias em competições esportivas e proibir brincadeiras. Segundo ela, essa educação rígida explica o sucesso dos chineses no cenário internacional.


Os bem-sucedidos chineses também são vistos na área esportiva. Mas o método utilizado pelos treinadores do país é questionável. Para se transformar em potência olímpica, uma obsessão desde que ganhou o direito de sediar os Jogos de Pequim, em 2008, muitas crianças passaram a treinar exaustivamente para competições como maratona, ginástica e tênis de mesa, por exemplo.


Imagens de pequenos ginastas chineses forçando o corpo ao extremo, chorando durante o treino e até sendo agredidos por técnicos chocaram o mundo. As crianças já começam uma vida competitiva nos primeiros anos de vida, passam a ser treinadas para determinada modalidade, sem que elas sequer tenham experimentado outras atividades.



Segundo Zogaib , o importante é a criança provar diversos tipos de esporte, sem nenhuma pressão. "O interessante é a criança ter vivência motora e optar pelo que mais gosta com 10 ou 12 anos. Esse ganho de aprendizado motor anterior vai ajudá-la no que escolher e ela vai ser uma atleta mais coordenada do que a que se especializou desde cedo e ficou limitada", indica o médico, que ainda alertou para o problema emocional causado pelo excesso de competição desde a infância: "O sujeito não vai suportar 20 anos competindo".


Mesmo diante de exemplos condenáveis, como dos atletas chineses e das crianças mais fortes do mundo, o fenômeno dos atletas mirins não para de crescer e a bola da vez, inclusive no Brasil, são as lutas. Prática comum na Tailândia e na Inglaterra, onde competições violentas com crianças sem proteção já foram questionadas, alguns pequenos lutadores estão sendo preparados pelos próprios pais, que, de forma irresponsável, desejam ver seus pupilos brilhando futuramente na nova febre do suposto esporte mundial, o MMA, competição brutal para especialistas em diferentes artes marciais.

sábado, 14 de abril de 2012

LAZER NOTURNO



VIDA NOTURNA: QUANDOS OS FILHOS SAEM PARA UMA 'NOITADA' NAS GRANDES CIDADES BRASILEIRAS, QUEM PASSA A NOITE EM CLARO SÃO OS PAIS


VIOLÊNCIA NAS GRANDES CIDADES E OFERTA DE DROGAS SÃO APONTADAS COMO A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DE QUEM TEM UM FILHO EM IDADE JUVENIL


Nos grandes centros como São Paulo há festas e baladas para todos os públicos, por todos os preços e a qualquer dia da semana. Mesmo às segundas-feiras, não é preciso muito esforço para encontrar uma balada que tenha a cara típica de uma festa de sábado à noite. Toda essa variedade é um prato cheio para os jovens, mas uma preocupação sem tamanho para os pais.

"A BALADA É Ó ÚNICO LUGAR ONDE

ENCONTRO, DE UMA SÓ VEZ,

SEXO, DROGAS E BEBIDAS"

(de um frequantador assíduo de baladas, de 19 anos, que não quer ser identificado)

Os excessos, acompanhados da euforia típica da idade, nem sempre resultam num final feliz para os baladeiros de carteirinha. O consumo desenfreado de álcool e tantas outras drogas ilícitas, associado ao volante, por exemplo, já é uma das principais causas de morte entre jovens de 16 a 25 anos no Brasil. É certo que medidas como a Lei Seca e a pesada fiscalização contribuíram muito para que houvesse queda no número de mortes em acidentes de trânsito, principalmente entre os mais jovens. Mesmo assim, alguns relutam, colocando a própria vida em risco e a de centenas de outros inocentes.

NA BALADA QUE A GENTE

DESCONTA O ESTRESSE

DO DIA A DIA"

(Maria, estudante de psicologia, de 19 anos)

Mas perder a vida repentinamente em alguma esquina da cidade não é a única consequencia dos excessos de uma noitada levada ao extremo, isso porque muitos jovens são apresetados às drogas justamente durante as baladas. Então, a vida também se perde. O que muda é apenas a velocidade da perda.

"VOLTO DE CARRO

NÃO DÁ NADA, NÃO"

(de um frequentador das baladas de SP, também de 19 anos, ao ser questionado como volta para casa, depois de beber a noite toda)

"A balada é o único lugar onde encontro, de uma vez, sexo, drogas, bebidas e curtição", diz um jovem de 19 anos, frequentador assíduo de festas noturnas. "E como você faz para voltar para casa, depois de uma noite inteira bebendo?", perguntam a ele. "Carro!", ele responde. "Não dá nada não...".

A estudante de psicologia Maria (nome fictício), também de 19 anos, confessa: "é na balada que a gente desconta o estresse do dia-a-dia. É bom também para esquecer do namorado chato. Aqui, eu uso os homens mesmo. Depois jogo fora!".

Para os psicólogos e especialistas em comportamento infanto-juvenil, a maioria das festas perdeu sua essência. e não é mais uma reunião saudável, de gente saudável, a fim de diversão, lazer e troca de experiências. "Hoje, elas viraram pretexto. Pretexto para o consumo abusivo de drogas e bebidas, para a banalização do sexo, do parceiro e da própria vida", dizem.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

A DROGA está acabando com a sociedade.A IURD está lutando com uma fé racional para combater este mal.


Domingo (08 de abril) foi dia de comemoração da páscoa no internato Vila Maria João do Pulo . Voluntários da Igreja Universal do Reino de Deus uniram-se para levar um amistoso de futebol junto com um debate sobre drogas

A ação, comandada pelo pastor Geraldo Vilhena Coordenador Estadual de evangelização, nas unidades da Fundação Casa de São Paulo. Os preparativos começaram às 11.00 da manhã, já com tudo pronto as mesas foi preparada com todo carinho pelos voluntários da Igreja Universal do Reino de Deus, Para dar início O Pastor Geraldo fez uma oração toda especial pela libertação dos jovens da Casa. E deu uma palavra sobre salvação, e disse o Senhor Jesus não condena ninguém , pelo contrário ele ama e quer salvar, que o mal está por detrás de tudo o que faz o ser humana ficar longe de Deus, mais a verdade é que Jesus morreu, para que todos tenham vida em abundância. Disse ele.


após a palavra o Pastor Geraldo, fez apresentação do BLOCO de ajuda aos dependentes químicos , travando uma guerra contra as drogas, através de um grande debate e esclarecimento para os internos da Casa. Este bloco tem a finalidade de deixar uma mensagem, para que os jovens reflitam, sobre o grande mal que as drogas causam no organismo, e não levam a lugar algum. Em seguida, Pastor Geraldo pergunta> para todos os ex- usuários Foi fácil para vocês começarem suas vidas, longe das drogas ?


Amauri ex-traficante agora palestrante responde: Foi muito complicado, pois tinha muito dinheiro, e do nada fiquei sem nada, pois tudo o que vem fácil vai fácil, tive que vender sacos de lixo no farol, para ter minha dignidade de volta.

Sra Cristina ex usuária e traficante de DROGAS agora palestrante responde que teve que fazer faxina foi uma humilhação pois tinha uma vida de status.


Cristiano ex-usuário de DROGAS hoje palestrante.


Elza luta até o dia de hoje, pela libertação de um filho.

a dificuldade da Sra Nelma foi o dinheiro fácil da prostituição, teve que trabalhar muito mais deu a volta por cima.

Senhora Ubiracy atravez da fé no Senhor Jesus alcançou a libertação das DROGAS de uma filha.

palestra Sr Noel, explicou para os jovens que por tras dos vícios existe um espírito imundo.

Dando sequência no evento o Pastor Geraldo Vilhena, chamou os adolescentes da Fundação Casa, juntamente com os jovens voluntários da Igreja Universal do Reino de Deus, para um amistoso de futebol, a partida foi disputadíssima, em cada gol a alegria dos meninos da casa, o intuito desse futebol é para que os adolescente se distraiam com uma atividade física e fiquem bem longe das drogas, os adolescentes da casa mostraram todo seu desempenho, não foi dessa vez que levaram o primeiro lugar, mais deram um show de bola, a partida ficou assim 9 para a IURD e 8 para a Fundação Casa com direito até de medalhas para o primeiro e segundo lugar





com direito até de medalhas para o primeiro e segundo lugar.












A festa ficou completa com a distribuição de muito bolo com refrigerante, e muito sorvete para alegria dos meninos. Para o Senhor Sr. João Apóstolo diretor da Casa, foi muito importante esse evento pois é notória a alegria dos meninos da Casa, e a palestra trás conscientização sobre o real perigo que as drogas causam no organismo, e deixou as portas abertas para novos eventos na unidade.