segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Ricos viram pobres e pobres viram ricos.


O Brasil ocupa a 17ª posição no ranking mundial em número de milionários. Os EUA , mesmo com a lenta recuperação pós-crise, continua na primeira posição dentre os 62 países analisados.
A consultora norte-americana Boston Consulting Group (BCG) divulgou, no início de janeiro deste ano, novo relatório sobre onde estão os maiores milionários do planeta, e chegou à conclusão de que, apesar de não aparecer entre os dez países como o maior número de endinheirados do mundo, o Brasil vem subindo de posição ano após a ano.
Atualmente, existem 127 mil famílias brasileiras com patrimônio estimado em mais de US$ 1 milhão, o que coloca o País na 17ª posição no ranking mundial em número de milionários. Os EUA ocupam a primeira posição da lista.
O estudo analisou a geração global de riquezas de 62 nações, que respondem por aproximadamente 98% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial. O maior número de milionários ainda se encontra nos Estados Unidos, que têm 4,7 milhões deles. Em seguida aparecem Japão, China, Reino Unido e Alemanha. No mundo todo, existem cerca de 11,2 milhões de famílias com patrimônio acima de US$ 1 milhão, avalia a BCG.
Em contrapartida, pelas regras atuais do Bolsa Família, há 10,1 milhões de miseráveis no Brasil, com renda até R$ 70, mas de acordo com a metodologia utilizada, programas e documentos oficiais, o número de miseráveis brasileiros varia de 9,1 milhões a 21,5 milhões. Estas estatísticas são responsáveis por colocar o País em situações extremas: ele é um dos líderes em números de milionários, ao mesmo tempo em que é, também, um dos campeões em números absolutos e relativos em números de miseráveis.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Um tem 20,o outro 80



"À medida que a diferença de idade entre o casal aumenta, aumenta também a probabilidade de mortalidade da mulher", afirmam os cientistas do Instituto Max Planck.
No Egito, um homem de 92 anos e uma adolescente de apenas 16 decidiram, depois de dois anos de namoro, se casar. Os dois só não oficializaram o matrimônio porque a Justiça egípcia – país onde moram – impediu a união. O ministério da Justiça do Egito criou, na década 80, uma lei que impede o casamento de estrangeiros com egípcios quando a diferença de idade entre os noivos for maior do que 25 anos. Mesmo assim, o casal disse que, apesar de a união não ter sido oficializada, eles pretendem continuar unidos. As leis brasileiras, bem mais flexíveis que as egípcias, não impedem o casamento por motivo de grande diferença de idade entre os cônjuges, como prova um dos casos mais polêmicos, ocorrido no final de 2008, quando Francisco, um pernambucano com então 88 anos, decidiu se casar com Laudiceia, que vivia nos fundos da casa dele. Detalhe: àquela época, a garota tinha 15 anos. Mesmo sob protestos e intervenções na Justiça por parte de alguns familiares da adolescente que tentaram impedir a união do casal, Francisco e Laudiceia oficializaram o matrimônio e, uma ano e meio depois, eles tiveram o primeiro filho, João. Mas apesar de histórias de amor como a do casal pernambucano ou a dos pombinhos egípcios despertarem admiração e comoção em muita gente, um estudo feito na Alemanha indicou que casar com um homem muito mais velho ou muito mais novo pode reduzir a expectativa de vida de uma mulher. O Instituto Max Planck chegou a essa conclusão depois de analisar o perfil de mais de 2 milhões de casais dinamarqueses, quando descobriu que o risco de mortalidade de uma mulher casada com um homem entre sete e nove anos mais jovem aumenta 20%. O estudou concluiu também que, à medida que a diferença de idade entre o casal aumenta, aumenta também a probabilidade de mortalidade da mulher. Por exemplo: ter um parceiro 20 anos mais velho eleva o risco de mortalidade da mulher em quase 35%. No caso masculino, o fenômeno é exatamente o contrário. Um homem que tem uma parceira entre sete e nove anos mais jovem reduz o seu risco de mortalidade até 11%. De acordo com o coordenador do estudo, Sven Drefahl, as razões para as diferenças de mortalidade em decorrência da diferença de idade entre homens e mulheres permanecem desconhecidas.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

IURD Agente da Comunidade comemora o Dia da Conciência Negra na Fundação Casa de Encosta Norte.


Voluntários da Igreja Universal do Reino de Deus estiveram presentes neste último domingo, na fundação casa encosta norte, realizando um evento, com várias atividades para os internos, seus familiares e funcionários. A IURD ela atua junto com a Fundação Casa, com um projeto que visa tirar os menores das ruas, das drogas, e principalmente levando a palavra de Deus. Fazendo isso ela tem feito o que se cumpre no Mateus cap.25:36 estava nu e me vestistes, enfermo, e me visitaste; preso; e fostes ver-me.
Para dar início ao evento, o Pastor Geraldo Vilhena Coordenador Estadual de Evangelização, nas Unidades da Fundação Casa de São Paulo, fez uma oração pedindo a proteção de Deus por todos os presentes. Com a ajuda do projeto Agente da Comunidade foi feita uma grande festa, com várias atrações, para divertir os adolescente,









e a festa foi animada com a presença da cantora Cristina Miranda, que além de cantar, pois todos para dançar, com sua animação,











Esteve presente também um integrante do Dose mais Forte, Amauri e Jeidsom o qual deram seu testemunho, falou que entrou no mundo das drogas, era traficante e com a ajuda do poder de Deus pode mudar de vida.





Para finalizar o evento foi feita a distribuição de centenas de livros da Biografia do Bispo Macedo para todos os jovens e familiares,





para a alegria foi servido bolo, refrigerante, salgados e docinhos.




terça-feira, 25 de janeiro de 2011

BEM-ME-QUER, MAL-ME-QUER




BEM-ME-QUER, MAL-ME-QUER
"A transformação da paixão em ódio muitas vezes é um processo muito longo [...] Quando as barreiras entre um sentimento e outros se tornam evidentes pode ser tarde demais."
Há muito tempo a ciência tenta explicar como um dos sentimentos mais nobres do homem, o amor, pode pegar a contramão e acabar destruindo violentamente a quem se ama. Os inúmeros casos de crimes ditos passionais trazem à tona, também, o instigante enigma de como a mente pode se transformar num vulcão de sentimentos devastadores quando alguém vive uma paixão patológico-obsessiva. Uma corrente de psiquiatras acredita que amor e ódio são como cabeça e cauda de uma mesma serpente. Ou seja, um não pode viver sem o outro. Segundo esse princípio, nenhum ser humano ama, nem odeia outro absolutamente. Apesar do quase contrassenso, ainda de acordo com essa teoria, nenhum amor sobrevive ou prospera sem algum resquício mínimo de aversão, e vice-versa.Apaixonados x Doentes: O perfil de cada um A medicina acredita que nos casos patológicos possa haver desequilíbrio de um desses dois sentimentos antagônicos, que acaba ganha proporções anormais. Quando isso acontece, punir o outro é quase sempre um dos objetivos de quem tira a própria vida em nome do amor. Quem se mata pode ser incapaz de conviver com a frustração de não ter o objeto amado. Mas a transformação da paixão em ódio muitas vezes é um processo muito longo, o que dificulta saber exatamente quando o amor saudável se transformou em nocivo. Às vezes, quando as barreiras entre um sentimento e outros se tornam evidentes pode ser tarde demais. Apesar da complexidade do assunto, psiquiatras e psicólogos deixam uma dica importante: O amor saudável se caracteriza por sentimentos de generosidade e de solidariedade. A pessoa que ama quer, antes de tudo, a realização pessoal do ser amado, e não apenas a dela própria. Já o amor patológico inverte essa proposição. A pessoa amada precisa servir ao narcisismo daquele que ama. Então, pode-se dizer que essa pessoa não ama a outra. Ele apenas a usa para reforçar sua autoestima.

sábado, 22 de janeiro de 2011

Casos amorosos no trabalho


"As mulheres acreditam que o bom desempenho sexual do marido é fator primordial para que elas não procurem alguém fora do casamento".


Uma pesquisa realizada recentemente nos Estados Unidos mostrou que 60% dos casos de traição, tanto para homens quanto para mulheres, ocorrem no ambiente de trabalho. Mesmo assim, o sexo masculino se mostrou mais predisposto a trair. Apenas 40% das mulheres ouvidas confessaram já ter mantido relação extraconjugal, contra 60% dos homens. Além dos números, a pesquisa procurou também ir além e esmiuçar as causas mais comuns da traição. Curiosidade, oportunidade e solidão dentro do casamento foram os motivos mais citados pelos dois sexos, embora o perfil do companheiro com quem se mantém relação extraconjugal seja diferente entre eles e elas. Geralmente, as mulheres traem com amigos, ex-namorados, personal trainers (as lendas de academia não são tão fictícias assim) e até com os médicos dos quais são pacientes. Para completar, ginecologistas, dentista e o pediatra do filho também fazem parte do rol de parceiros citados. Uma minoria inexpressiva disse ter sentido remorso depois de ter cometido a traição. As mulheres acreditam que o bom desempenho sexual do marido é fator primordial para que elas não procurem alguém fora do casaento. Das 400 mulheres ouvidas, e que admitiram já ter traído, 70% se queixavam da vida sexual com o marido. Paras os homens, a porcentagem cai para apenas 22%.Homens e Mulheres Traem Por Motivos Diferentes Os sexólogos explicam que elas interpretam o sexo de várias maneiras: que elas ainda são amadas, desejadas e respeitadas pelo marido, por exemplo. Já o homem tem uma visão diferente disso, explicam. A pesquisa conclui também que ter relacionamentos extraconjugais ficou mais fácil em razão das mudanças estruturais na rotina das mulheres, libertadas das amarras do lar. Hoje, apenas uma minoria não tem responsabilidade fora de casa. Como elas estão mais expostas e a vida profissional muitas vezes exige uma convivência maior dentro do ambiente profissional do que dentro da própria casa, situações favoráveis à traição acontecem com muito mais frequência.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Magreza Acima de Tudo.


"As mulheres se mostram muito infelizes quando estão gordinhas, mas ficam plenamente satisfeitas quando o ponteiro da balança cai."

"A maioria das mulheres americanas prefere ser magra a fazer sexo". Esse é a inusitada conclusão a que chegou uma pesquisa realizada pela empresa Nutrysistem, especializada em sistema de dietas. Os estudos ouviram mil mulheres, e mais da metade delas disse que ter um corpo esbelto é mais importante do que praticar sexo regularmente. Entre os homens, apenas 25% deles responderam a mesma coisa. Os dados foram divulgados no segundo semestre de 2010.
Quando questionadas sobre a influência do peso na autoestima, 66% das entrevistados disseram que é fundamental estar em forma para se sentir mais sexy, mas apenas 45% dos homens americanos têm a mesma opinião.
Apesar de a pesquisa ter obedecido às normas básicas da estatística, o fato de ela ter sido elaborada por uma empresa que atua no competitivo mercado das dietas coloca em xeque a veracidade dos dados, afinal, pode haver interesse, pelo menos dentro desse ramo, de que dietas saudáveis sejam consideradas mais importantes que uma vida sexual satisfatória.
No Brasil, um estudo semelhante foi realizado pelo psiquiatra alemão Pam Spurr. Ele analisou o comportamento das mulheres brasileiras ao longo de 24 anos e concluiu que elas se sentem mais felizes se estiverem em paz com a balança do que se tiverem um namorado. Depois de interrogar as brasileiras, o psiquiatra resolveu aplicar o mesmo questionário às alemãs. Lá, ser magra também traz mais felicidade do que estar bem resolvida com o coração.
"As mulheres se mostram muito infelizes quando estão gordinhas, mas ficam plenamente satisfeitas quando o ponteiro da balança cai", conclui Spurr.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

IURD A Gente da Comunidade na Fundação Casa de Itaquaquecetuba



Conscientes que o amor ao próximo não tem fronteiras e a união faz a força, o grupo do A Gente da Comunidade de Região Guaianazes juntamente com os voluntários do Grupo de Evangelização da Sede de São Miguel Pta e IURD realizaram uma linda festa para os familiares e internos da Unidade da Fundação Casa em Itaquaquecetuba.




Pr Geraldo Vilhena Coordenador de Evangelização em Unidades da Fundação Casa de São Paulo, esteve presente e iniciou o evento com uma oração, e orientando à todos a necessidade de uma direção para tomar decisões e que Deus está sempre ao nosso lado aguardando o pedido de ajuda para nos conduzir ao caminho certo.



A representante Marta do A Gente da Comunidade informou a visão do projeto institucional e tudo foi preparado com muita alegria, amor e carinho para aquele dia tão especial.




Os jovens Amauri e Geidson (Projeto Dose Mais Forte) relataram as experiências que tiveram com as drogas, crimes, facções e o momento que perceberam que nada daquilo preenchia o vazio que tinham, o risco que corriam, que precisavam de uma dose mais forte para mudar aquela situação. Neste momento os internos e familiares ficaram atentos pois queriam saber o segredo da mudança.Foi aí que Amauri e Geidson tiveram a oportunidade de conhecer o Sr. Jesus e tudo se tornou novo, o passado não existe mais (somente é lembrado para servir de testemunho de transformação de vida). Hoje estão abençoados na vida financeira, familiar, saúde e etc.






Para reforçar mais esta mensagem a Cia Teatral Brás, um grupo formado somente de obreiros apresentaram a peça "O Valor de Uma Alma" que relata o que o mundo oferece por nossas vidas e o alto preço que já pago pelo Sr. Jesus por amor á todos nós.




















O Jovem interno C. emocionado com a mensagem expressou sua satisfação e agradeceu a todos , exclusivamente á avó que luta muito por ele.




Foi distribuído bolos, refrigerantes e livros para os internos e familiares.












Também prestamos serviços de cabeleireiros e manicures para as mães e visitantes para aumentar a auto estima, pois uma pessoa feliz tem muito mais forças para lutar e vencer.








Agradecemos ao Diretor Marcos Dalmar Barbosa, ao Coordenador de Equipe Daniel Delforno de Carvalho e Coordenador Pedagógico Edcarlos dos Reis Lima pela oportunidade e este dia ficará marcado na lembrança dos internos e familiares.